13.5.15

divinos adeuses

São divinos meus adeuses.

Até hoje, sempre me despeço da minha Mãe e dos meus amores como se nunca mais fosse vê-los outra vez. Ou vice-versa. A despedida se transforma em liturgia, nossos toques viram bênçãos... Eu os abraço sem pressa e me coloco inteiro no amor e no adeus que lhes dou. Minha alma se pronuncia, chego a chorar por dentro de mim, e até mesmo morro um pouquinho nesse abraço mágico. E se um dia talvez eu vier a morrer de verdade — o que é bastante improvável — já terei feito todas as despedidas que o meu coração gostaria de fazer. E da forma mais profundamente romântica possível.

É a vida.

Um comentário:

Edson Marques disse...


É assim mesmo!

http://mude.blogspot.com.br/2015/05/divinos-adeuses.html

É a vida!