11.12.05

Amor inseguro.

Uma crítica do livro Manual da Separação, feita pela leitora Danila, no blog Proseando, em 17/10/2004.

Abre aspas:

"Tudo por um livro do Edson!"


Hoje saciei meu desejo. Aliás “meus desejos” (mas aqui só posso falar de um, o outro é secreto, risos). O Desejo esse "apetite", esse impulso produzido pela estimulação de um sistema neurológico específico, que produz sensações específicas e suficientes para levar a pessoa à busca de experiência ou a mostrar-se receptiva a ela. Todo mundo já teve um desejo na vida! Eu já desejei pessoas, coisas...vivo de desejo, um dos meus desejos eternos é por chocolate, mas existe uma desejo que trago desde criança...e quando eu era criança não comia chocolate do jeito que como hoje, mas já desejava os livros, e nos últimos tempos eu desejei desesperadamente o livro do Edson....e ele está aqui! O livro do Edson Marques está aqui comigo!), foi uma aventura...não consigo deixar de lembrar da cena hilária, eu perdida sozinha, no meio do largo do paisandú, tinha dado umas 4 voltas procurando a “temos livros” até que um gringo chega pra mim e pergunta: “E aí morena quanto é?” Eu lhe digo “Quanto é o quê?”, no qual ele arremata: “O programa” (moça do interior perdida na cidade grande é foda né?) mas num dado momento me lembrei da existência do celular e do número da livraria, por fim consegui encontrar a “temos livros”, Foi uma alegria imensa. O livro do Edson é simplesmente demais! É um livro que brinda a vida, que brinda o amor no ápice da sua magnitude, é um livro pra quem está vivo.

São idéias para se recitar, poesias para se viver, palavras malucas para ser feliz. E o Edson é doido, é um desses malucos...porque poeta é tudo doido, e poesia é uma forma de loucura. E loucura é o tempero da vida. Disse o poeta T. S. Eliot: Num País de fugitivos aquele que caminha na direção contrária parece estar fugindo”. Andar na direção oposta a direção de todos só pode ser coisa de doido. Vejam o Edson Marques, doidão! Numa sociedade os de as pessoas ainda aprisionam seus companheiros com inseguranças, ciúmes, opressões, vem o Edson para remar (e provar) o sabor do contrário...sejam livres, tenham prazer, sejam felizes. Ele diz “É impossível ser feliz sem liberdade”... Seu magnífico livro começa com um trecho assim: “ Este é um livro para aqueles que se amam. Não é um manual: não escrevo para escravos. Eu quero é que vocês pensem. Só isso. Essas coisas todas, eu as escrevo para quem nasce, ou quer nascer de novo. Para quem vive e não para quem morre!”- Edson Marques.

Eis alguns trechos do livro “Manual da Separação”:

“Quando você deixa de amar alguém e continua com esse alguém, não é apenas esse amor que diminui: é a tua própria capacidade de amar que apodrece. Definitivamente.”

“Não basta ser semente: é preciso que germine.”

“O casamento é o túmulo do amor.”

“Amo as mulheres: no corpo de uma delas vejo a alma de todas as outras.”

“Só se morre uma vez, e é fatal.
Só se vive uma vez e é belo.
Quem não sabe a diferença se fode.”

“Só quem salta inteiro no belo escuro e profundo da vida é que pode viver e brilhar de verdade”.

Quando eu li Maquiavel eu perdi minha ingenuidade....quando eu li Edson Marques perdí o resto da razão (o que me faz deliciosamente feliz).

Fecha aspas.
Adoraria ter causado esse sentimento em todos os leitores dos meus livros!
Não conheço Danila, mas gostaria de conhecê-la.


A Razão é o Senhor do Tempo.


link: http://daniladanila.blog.uol.com.br/arch2004-10-01_2004-10-31.html

Nenhum comentário: