24.1.14

poeticas transgressoes

Quando enfio a cabeça pela janela da parede da vida já não sei se estou olhando para fora de mim ou para dentro. Então mergulho nesta alegre correnteza interna onde eu rio fluente de mim mesmo — líquido, cristalino, vibrante. Delicado.

São poéticas as minhas transgressões.

2 comentários:

Edson Marques disse...

Já estou de volta a SP. São poéticas as minhas transgressões. Inocentes. Delicadas.


É a vida.


Por enquanto, o texto de hoje está assim:


Quando enfio a cabeça pela janela da parede da vida já não sei se estou olhando para fora de mim ou para dentro. Então mergulho nesta alegre correnteza interna onde eu rio fluente de mim mesmo — líquido, cristalino, vibrante.

São poéticas as minhas transgressões.

http://mude.blogspot.com.br/2014/01/poeticas-transgressoes.html


PNMMNMPNPNJAEEM. M1303.


Edson Marques disse...

Uma relação de amor só fica madura quando está verde.


Escrevi agora no Facebook.