19.11.13

luz diamante

Nunca escondo meus leitores de si mesmos: em verdade, eu ilumino a parte clara do caminho que se encontra dentro deles. Como sou um garimpeiro de verbos incendiados, só gosta de me ler quem já tem brilho e não se apaga... Mas se eu primeiro não tornar as emoções em alegria, não terei coragem de abrir meu coração inteiro para ser lido com ternura por você. Por isso, só me mostro mesmo após o meu encanto, e só te dou estas palavras depois que as refino. Aliás, se eu antes não polir as minhas pedras preciosas com amor e gostosura, como poderia eu querer trocá-las por essa tua tão amada luz diamante?

2 comentários:

Edson Marques disse...


Gostosuras complementares se atraem mutuamente. E se forem livres — como as nossas — se ligam para sempre.

Link de hoje:
http://mude.blogspot.com.br/2013/11/luz-diamante.html

Tomando suco de laranja...

Edson Marques disse...

No texto original (que está no livro Solidão a Mil) eu dizia que ilumino a parte "escura do caminho". Agora mudei para "parte clara do caminho".

Deu outro sentido — mais próximo daquilo que pretendo transmitir.

É a vida.


E onde eu dizia "já tem fogo e não se espanta..." — mudei para "já tem brilho e não se apaga..."



É assim que vou polindo as minhas pedras preciosas... rs! Enquanto tomo suco de laranja e espero a minha tão amada e tão sonhante Madrugada.