9.11.13

elogios e criticas

Como toda pessoa com posições seriamente democráticas — no sentido grego da expressão — eu aceito tanto as críticas positivas quanto as negativas a respeito do que sou, do que penso, e do que faço. Todas elas são, por definição, simples manifestações de opinião — e todas, por isso mesmo, igualmente passíveis de serem verdadeiras ou falsas. Com base nessa premissa tão elementar eu concluo que seria irracional privilegiar umas em detrimento das outras.

Embora (como para todo mundo, suponho) certos elogios me sejam mais agradáveis do que as críticas negativas, costumo ver nestas um sinal — e acabo valorizando-as até mesmo um pouco acima daqueles. Primeiro, e só para efeitos de raciocínio, suponho-as desinteresseiras e com algum valor de verdade. Procuro entendê-las no contexto, racionalmente, a partir de uma certa e segura distância brechtiana. Se ocorre não concordar com algumas delas, mas se também consigo refutá-las com sucesso — ainda que apenas mentalmente — deixo-as de lado, e sigo em frente no que faço, no que sou e no que penso, livremente. Decididamente.

Porém, se tais críticas são bem formuladas e tocam meu coração de alguma forma; se perdura em mim uma certa sensação de que as mereço realmente — não as desprezo, não as esqueço, nem tento desqualificá-las de modo algum. Então, nesse caso, a partir delas e sensatamente, procuro tomar providências, mudar concepções, aprimorar o que faço e melhorar o que sou — como ser humano, como filho, amigo, amor, amante ou companheiro de jornada.

O mesmo raciocínio vale para os meus textos e poemas. Para as
paredes que desenho, as fotos que faço, as relações que mantenho, os projetos que apresento, os pratos que cozinho, as idéias que proponho, as atitudes que tomo, e os livros que eu escrevo. Claro que vale também para esses múltiplos orgasmos que vivo compartilhando com todos os meus amores principais.


Essa abertura poética na cabeça dançante é que torna minha vida uma
aventura inesquecível.
Extraordinária.


E finalizo com um breve texto que escrevi em 1984 — inspirado por Nietzsche — logo após terminar minha primeira leitura do seu genial livro Assim Falava Zaratustra:

Não existam verdades definitivas, inquestionáveis. O que existe são interpretações elaboradas sobre determinados aspectos da realidade — comprováveis ou não — mas necessariamente condicionadas pelo ponto de vista, pelos interesses, pela visão do mundo, e pela capacidade intelectual de quem as propõe.

2 comentários:

Edson Marques disse...

Link para o texto de hoje:
http://mude.blogspot.com.br/2013/11/elogios-e-criticas.html

Mais de meia-noite e estou aqui, criando um belo texto jurídico... E tomando vinho. Comendo queijo. Geleia de maçã. Sozinho. Acho melhor ver um filme com Sherlock Holmes.

É a vida.

PNMMNJANPNMPEEM.

Edson Marques disse...

Ah! esqueci de dizer: QSD.