21.5.13

sou poeta

Sou poeta, sou macio, carinhoso e pequenino.
Sou criança, inocente, tenho a pele delicada,
e sou feito para o beijo e a ternura.
Para o afago e a carícia.
Se me envolvem com verdades e doçura,
com poesia e com romance,
eu me deixo conduzir alegremente.
Dou a minha mão com a mesma gostosura
com que entrego a minha alma.
Dou-me todo, viro um anjo sensual.
Tenho fé nos que me encantam.

Mas, se por acaso me exploram e me enganam;
se me mordem — eu reajo
feito a salamandra de pele áspera:
Viro veneno.
Se me oprimem e me engolem por maldade,
produzo toxina fulminante
no interior de quem me come.
Ainda assim, e porque sou grande por dentro,
eu me salvo de quem me prende,
e saio de novo para a Vida
— louco e livre, como sempre.

E volto a ser macio, inocente, poeta,
doce, carinhoso e pequenino
— e pronto outra vez para o beijo e a lambida,
o afago e a ternura.

3 comentários:

Edson Marques disse...

Por acaso, o Deus do Acaso veio aqui dizer-me que não existe acaso. E acabei encontrando esse poema meu, publicado AQUI, em 15.07.2008.

Agora, o link novo é este:
http://mude.blogspot.com.br/2013/05/sou-poeta_21.html

É a vida... sempre!

twiggy disse...

que bonito e sincero!

António Jesus Batalha disse...

Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom,
li algumas coisas folhe-ei algumas postagens,
gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha.
Deixo-lhe a minha bênção.
E que haja muita felicidade e saúde em sua vida e em toda a sua casa.
PS. Se desejar seguir o meu blog,Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.