26.2.13

luiz

Hoje eu quero homenagear meu Pai. O nome dele era Luizito, e já escrevi algumas coisas sobre ele. Porém, o que ainda não disse (mas considero importante) é que ele era um aventureiro. Por exemplo: aos 29 anos de idade, ele já era dono de um pequeno armazém de grande sucesso, tinha uma casa própria com quatro quartos num terreno de 1.200 m2 na rua principal da cidade. Tudo na mais perfeita ordem. Então, inspirado por um Deus cuja voz só ele ouvia, largou tudo, fechou o armazém e a casa, e foi morar num ranchinho de sapé numa fazenda perdida, perto de Sengés, no Paraná. "Uma loucura" — todos diziam, sem compreender o que se passava na cabeça dele. Acontece que eu, hoje, depois de conhecer Osho, compreendo esse gesto zen, esse maravilhoso gesto zen do meu Pai.
Depois eu volto aqui contar mais alguma coisa sobre ele.

2 comentários:

Edson Marques disse...

Primeiro vou homenageá-lo, espiritualmente. Vou pensar um pouco sobre a vida que ele teve. Se eu fosse cristão, rezaria agora para ele. Mas depois eu volto aqui para escrever alguma coisa a respeito do que acabarei fazendo.

É a vida.

http://mude.blogspot.com.br/2013/02/luiz.html

Lisa libanesa disse...

A melhor homenagem a teu pai, poeta é a tua felicidade completa...(felicidade nunca é completa ...) então sejas infinitamente feliz,isso já te basta e teu pai certamente será também...

beijo, neste sábado de aleluias...


Lisa