2.11.12

felicidade

Existe um caminho na Vida, muito simples, que nos leva direto a um lugar chamado felicidade. E a felicidade nada mais é que um palácio maravilhoso. Mas, em vez de ir direto ao palácio, você fica perdendo tempo, construindo casinhas de barro na beira da estrada. Abandone essas casinhas ridículas — falsamente sólidas... Largue de construir essas coisinhas frágeis, cambaleantes, pois o primeiro vento forte do destino derruba tudo. Vá direto ao palácio. Seja Feliz!

Eu falei que a felicidade é um palácio para facilitar as coisas. Poderia ter falado Céu, Nirvana, ou Reino de Deus. Mas parece que as pessoas gostam muito mais de metáforas sólidas. Parábolas de alvenaria ou de concreto armado. Cimento, cal e areia — em vez de emoções.

7 comentários:

Edson Marques disse...

Para escrever esse texto eu fui inspirado por Osho. Aliás, eu vivo ins-pirado por Osho!

É a vida.

Edson Marques disse...

O Céu está dentro do nosso próprio coração.
Céu ou Reino de Deus — tanto faz...

12 meses de mudanças! disse...

Oi!
Perdemos tanto tempo nesta vida...felicidade parece ser mais facil alcançar do que tanto rodeios que damos!
Bj

layla lauar disse...

meu querido Poeta

a busca da felicidade plena é que nos move e nos mantém vivos...

saudade das suas flores, das suas estrelas, da sua poesia - de vocÊ!

abraçO

David Marlon disse...

Edson Marques estou entrando em contato com vc sobre o poema mude que esta em meu blog. E queria lhe pedir desculpas por ter atribuido o seu texto a Clarice Lispector (Burrice minha, que ja leu quase toda obra dela), queria lhe pedir desculpas e informar que só vi o seus comentarios hoje (03/11/2012) e dizer também que já troquei o nome de mudanças para Mude-Edson Marques, ok? Peço desculpas mais uma vez! David Marlon - Fragmentos de uma noite fria

Dulce Morais disse...

Talvez seja necessário viver nas casinhas frágeis e vê-las serem destruídas para poder apreciar o palácio da felicidade. Talvez esse tempo passado nas voltas sem sentido seja indispensável para apreciar a verdadeira felicidade. Não sei bem, mas fez-me refletir sobre a questão.
Até breve.

Aline Zaniboni disse...

As pessoas preferem o palpável, pois qualquer coisa que precise ser imaginada ou sentida, faz com que tenhamos que sair dessa falsa ilusão de realidade