27.5.12

auditor jesus

Se eu não devo me esquecer jamais do bem que alguns me fazem, por que deveria eu esquecer do mal que outros me fizeram? Seria injusto. Se for desse modo, a contabilidade não fecha... E Deus, implacável auditor, não gostará de ver um erro assim tão grave no meu balancete.

Eu às vezes contrario o auditor e até me esqueço de certas maldades que alguns já me fizeram. Mas em seguida me lembro da Bíblia, Lucas 17-3, onde se pode ler que: Se teus irmãos fizerem uma maldade contra você, mas se arrependerem sinceramente, conceda-lhes o perdão. Antes, porém, dê-lhes uma porrada inesquecível. Entretanto, como o assunto é complexo, vou pensar mais um pouco a respeito. Afinal, tem coisas que nem sabemos se são um bem ou são um mal...

8 comentários:

Edson Marques disse...

Se eu não posso me esquecer do bem que alguns me fazem, por que deveria eu esquecer do mal que outros me fizeram? Seria injusto. Se for desse modo, a contabilidade não fecha. E Jesus, implacável auditor, não gostará de ver um erro assim tão grave no meu balancete.

Ainda tomando café. Com Jesus e alegria.
E fazendo a "contabilidade"... rs!

http://mude.blogspot.com.br/2012/05/auditor-jesus.html

Edson Marques disse...

"Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes — e totalmente livres!

Acabei de ler isto agora. É da Rosa Luxemburgo

JAIRCLOPES disse...

Porque, não esquecer o bem traz benefício aos outros e lembrar do mal traz prejuízos a você. Simples demais.

Secrets! disse...

Se eu não devo me esquecer jamais do bem que alguns me fazem, por que deveria eu esquecer do mal que outros me fizeram? Seria injusto.
Podem dizer qualquer coisa mais eu concordo plenamente! Não é justo fingir que nada aconteceu, fingir que quem te machucou não te fez mal.

Estou seguindo aqui, adorei! :}
myssecrets2.blogspot.com.br

Edson Marques disse...

Parece simples, mas não é.

Em defesa do meu raciocínio, tentarei te "encurralar" logicamente, colocando a seguinte questão:
E se for uma determinada coisa que eu não sei se me fez bem ou se fez mal?
Devo esquecê-la ou devo lembrar-me sempre dela?
Ou se foi algo que eu supus ter sido um mal e depois vi que foi um bem?
Ou vice-versa?
Aliás, o que é que faz mal e o que é que faz bem?
O que é o mal — e o que é o bem?
Existe uma zona limítrofe entre esses dois conceitos?
O que é mal para alguns pode ser bem para outros?

Como você pode facilmente concluir, não é "simples assim"... rs!

Talvez a questão se torne assim complexa, do meu ponto de vista, só porque estudei Lógica. E aprendi que tudo pode ser encarado de vários pontos de vista. Talvez.

Mas, vou considerar teu argumento como um gesto de bondade... rs!

Abraços.

Edson Marques disse...

Obrigado por seguires o blog Mude!

Eu às vezes esqueço das maldades que me fizeram, mas me lembro da Bíblia:

Se teus irmãos fizerem uma maldade contra você, mas se arrependerem sinceramente, conceda-lhes o perdão. Antes, porém, dê-lhes uma porrada inesquecível.
Bíblia. Lucas 17:3

Pois, é!

Flores...

Edson Marques disse...

Porque, sem a reprimenda, eles serão tentados a cometer sete maldades diferentes. E você terá que perdoá-las sete vezes em seguida.
Lucas 17:4

laila souza disse...

Gostei do seu blog, mas não concordei do modo com que fala de Deus e da palavra dele.Mas cada um com suas crenças.
Achei seu blog por acaso ao pesquisar o texto Mude , e pra minha surpresa descobri que não é da Clarice Lispector.Parabéns pelo texto (mude)irei por seu nome e retirar o da Clarice rs.
papodemulherecia.blogspot.com.br