5.10.11

levante-se

PENSE ATÉ O FIM

Não é preciso que você respeite o que te digo agora nem que me venere em demasia. Só não quero falar para caídos. Portanto, levante-se, e me ouça. Com atenção, porque não vou durar para sempre, nem ficar aqui repetindo meus textos e rezas pelo resto da vida. Pense no que estou te dizendo neste momento, neste insistante momento em que o tempo passa e pulsa como um coração desesperado.

Porém, não pare aí nem pare aqui: pense no que eu digo, pense fundo, pense até o fim. Entre no meu pensamento, mergulhe nele — e me ultrapasse. Se não, você não vai me entender. É preciso que você arranque o resto de trilhos que tem essa estrada, encha teu peito de aventura e alegria, suba em mim, trepe no que eu falo, dance em minha língua. E cavalgue o meu poema todo dia, toda hora, todo lugar. Sem medo. Porque sou apenas um poeta iluminado, bailarino, romântico, livre... e teu.

Por enquanto.

Um comentário:

sonia kahawach disse...

Após toda a analogia inicial, caiu perfeito e duro o "Por enquanto".