16.7.09

reparto tudo

Reparto tudo: reparto o beijo, o abraço, o chocolate, o pão e o queijo; reparto o amor e o vinho, as flores e as estrelas. Reparto e compartilho. Tudo. Às vezes, simultaneamente... Esse negócio de exclusividade é coisa de caipira. Já passou do tempo, pelo menos nas sociedades desenvolvidas. Ou, melhor, naquela parte desenvolvida das sociedades. E o termo em verdade é esse mesmo: "negócio": Aquilo que nega o ócio. Nega o Prazer — e nega o amor. Nega a Liberdade.

Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.


Porque eu... eu reparto tudo!

Exceto, é claro, a minha visão do mundo.
Esta, cada um deve ter a sua.
Exclusiva.

Um comentário:

C. Dorothy disse...

Querido e respeitado Poeta, recebi êsse poema tendo outra pessoa como autora. Postei-o sem maldade ou melhor; por te-lo achado muito belo e interessante. Estarei deletando agora sem falta e denunciando sim o plágio.

Mil perdões, e parabéns pelo texto!

Abraços sinceros.