17.10.16

cafe com ciencia

Café com Ciência

Faço café religiosamente todo dia. E o advérbio é mais para ressaltar o critério do que a constância. Como se meditasse, eu abro a embalagem enluarada, madrugante, cheia de brilho e pó, fecho os olhos, sinto o cheiro, sorrio por dentro e por fora — e começo a sessão. A água já benta e quase fervendo (mas sem deixar que chegue a tanto), o canto dos passarinhos, o barulho do mar, as ondas da música de fundo, a forma dos sentidos — tudo — tudo contribui para que eu logo mais tome um café divino, poético e fundamental neste céu azul do meu amor.

2 comentários:

Edson Marques disse...


Com água benta, é claro!

http://mude.blogspot.com.br/2016/10/cafe-com-ciencia.html

Edson Marques disse...



https://yadi.sk/i/OvsfIEAQnrp8q