5.8.16

oficio de ser louco

Eu me equilibro nesse ofício de ser solto, dançar sempre livre na corda bamba, saltar todas essas linhas sinuosas imprecisas e fazer com minha alma poética um gostoso desfile pelos versos desta vida. Eu sempre me equilibro neste desgovernado instante em que o mundo se desfaz em circo e o eterno se compõe trapézio. Neste inexato momento louco — racional e amoroso — em que só sei que não sei nada.

Um comentário:

Edson Marques disse...


Que delícia!

http://mude.blogspot.com.br/2016/08/oficio-de-ser-louco.html