6.10.15

produto do teu trigo

Sigo só o sinal que não aponta, e que partiu de dentro do meu próprio peito. Estou aqui, nesta madrugante conjunção de fatores, escrevendo, olhando o mar, ouvindo corruíras, pardais e bem-te-vis, uma algazarra de sons por sobre as ondas, tomando café com amor, e pensando nessa mulher que me gerou, Iracy. Saudades me cobrem os olhos. Ela sabe fazer pão recheado com queijo branco. Ela mesma escolhe o trigo, prepara a massa com a magia das próprias mãos. Ainda de madrugada, ela fica fazendo o pão e cantando baixinho, como se fosse um mantra. Agora mesmo um tiziuzinho pousou ali no canto do terraço e ficou me olhando, cantou três vezes e foi-se embora. Mas deu tempo de dizer-lhe que vá contar à minha Mãe, lá em Itararé, que estou aqui, pensando nela. Você sabia que o tiziu sempre salta quando canta? Se não me engano, se for preto é macho e se for esverdeadinho é fêmea. Lindo pássaro. Canta saltitando. E fico pensando: Será que o salto precede o canto, ou será que o canto precede o salto? Não sei... Só sei, Mãe, é que o pão que me alimenta é um produto do teu trigo.

Um comentário:

Edson Marques disse...


Esta noite eu sonhei com minha Mãe. Ela estava fazendo comidas gostosas na cozinha da nossa casa. Daqui a pouco vou telefonar pra ela, só para lhe dar um beijo sonoro!

http://mude.blogspot.com.br/2015/10/produto-do-teu-trigo.html