28.8.15

se meus amores fossem eternos

O amor é simples

Se meu amor por Marina (aos sete anos) fosse eterno, eu estaria com ela ainda hoje — e não teria conhecido Suzana, que é uma deusa inesquecível. Se eu tivesse ficado com Suzana para sempre, não teria conhecido Patrícia, nem Vera, nem Alessandra, nem Janaína, nem Carol, nem Beatriz. Se eu tivesse sido exclusivo de Vera ou Janaína, não teria me apaixonado por Joyce Ann — que ainda é a musa número um. Mas se eu ficasse apenas com Joyce, não teria conhecido a morena maravilhosa de ontem à noite. E assim por diante... O que me encanta é a liberdade absoluta, incondicional. Aliás, pensando bem, se o amor de Marina por mim também tivesse sido eterno, ela não teria conhecido nenhum dos seus outros amores. Assim deve ter acontecido com todas que eu amei e que me amaram — e que depois tomaram novos rumos. Se eu esperasse (ou, o que é pior, se eu tivesse exigido) que cada uma delas ficasse só comigo, nem consigo imaginar como as coisas estariam hoje. Minha vida certamente seria um pandemônio. Ou eu já estaria totalmente morto e soterrado por uma avalanche de complicações que isso envolve. A ideia de exclusividade amorosa e sexual não me agrada nem um pouco. O amor tem que ser livre — em todos os sentidos — e de todas as formas.

Um comentário:

Edson Marques disse...


Meu AMOR é eterno, mas meus AMORES são passageiros.

Entretanto, ALGUNS permanecem por muitas eternidades... rs!

Suponho!

http://mude.blogspot.com.br/2015/08/se-meus-amores-fossem-eternos.html