18.7.15

eramos dois

ÉRAMOS DOIS

Éramos dois
como se fôssemos mais,
e éramos tantos
como se dois
apenas.

Então,
a porta do meu peito
se abriu
como um sorriso terno
que beijava o sol
daquela tarde:

As dobradiças não rangeram,
não havia perfume
de amores antigos,
nem se crisparam as mãos.

E o sorriso da porta
cresceu
de forma tranquila
e se fez palavra.

Naquela tarde
não houve sombras
na minha espera.

Edson Marques

2 comentários:

Edson Marques disse...


É a vida.

http://mude.blogspot.com.br/2015/07/eramos-dois.html

Maria morreu. Querida está forte.

Edson Marques disse...


Se você ama de verdade uma pessoa -- liberte-a de você, antes de tudo. Depois, liberte-a de si mesma e também da eventual necessidade que ela possa ter de ligar-se (de forma dependente) a certas relações aprisionantes. Libertar é salvar. Mas também nunca se esqueça de que salvar-se é libertar-se. De si -- e dos outros.

Nos cadeados da vida, gire a chave pra esquerda.


Escrito agora, depois de um copo de leite.
Revisarei.