16.6.15

tragico desfecho

As relações de amor começam sempre maravilhosamente bem. Mas depois a burocracia se instala. Agendas, compromissos, conta conjunta, ciúmes e controles, bujão de gás, monotonia, comprinhas no mercado, esquecimentos, arrependimentos, ausência de desejos, supressão da fantasia, e um tédio insuportável. Há que se pensar numa alternativa a esse trágico desfecho.
Casamento não tem lógica. Deve existir um modo mais racional de se foder... rs!

2 comentários:

Edson Marques disse...


O casamento é o túmulo do amor.

Só conheço duas exceções: uma delas é o teu... rs!

http://mude.blogspot.com.br/2015/06/tragico-desfecho.html

Edson Marques disse...


DILEMA OU ENIGMA

— Por que é que devo pensar primeiro nela, e só depois em mim?
— Porque ela é um ser humano.
— Ora, mas eu também sou um ser humano.
— Acontece que ela pensa em você primeiro, e nela só depois.
— Mas, se eu primeiro pensar em quem pensa em mim primeiro, em qual delas eu primeiro pensarei?

Da série Diálogos Intermináveis.