11.5.15

mereco teu desrespeito

Eu mereço um pouco do teu desrespeito! Abra-me de todas as maneiras, desdobre todos os meus vincos, acaricie-me todas as entranhas, desamarre-me, invada-me, quebre-me as regras e os medos, agarre-me pelos cabelos... Jogue-me nesta cama louca chamada Vida. E me ame — desesperadamente. Eu mereço ao menos um pouquinho desse teu tão amável desrespeito!

2 comentários:

Edson Marques disse...


É a vida...

http://mude.blogspot.com.br/2015/05/mereco-teu-desrespeito.html

Fernando disse...

A Lua está fascinante hoje, Poeta.