13.4.15

pico do pico

O brilho da manhã não se repete. Separo-me porque te amo, vou-me assim porque te quero, abandono alguns sonhos no teu peito porque preciso ficar só. Deixo você porque parece que atingimos o pico. Também sei que poderíamos ir mais além — juntos. Seria um risco, eu sei, mas o risco maior é irmos mais além — separados. Entre dois riscos, devemos escolher sempre o mais profundo, o mais radical, o mais incerto, o mais dançante, o mais alegre, o mais aberto. Vamos dar chance ao mundo para que possa ver e sentir quem somos nós, vamos deixar que outras borboletas visitem nossos doces corações... E se em vez de borboletas nos visitarem urubus, não tem problema, pois nós agora já sabemos distingui-los. Quando vivemos em absoluto estado de alerta, conscientes — todas as experiências valem a pena. Inclusive a perda.

2 comentários:

Edson Marques disse...


Isso eu disse para ela (JA), naquela noite de domingo (que talvez tenha sido ontem). Mas a história continua — nos dois sentidos. E continua porque, depois daquela noite de domingo, toda noite é de segunda...

É a vida — nos dois sentidos da expressão.


Melhor tomar um café com água benta e ouvir que têm a dizer esses insistentes passarinhos que me acordam.

http://mude.blogspot.com.br/2015/04/pico-do-pico.html

É a vida!

Edson Marques disse...

A exclusividade não é natural. Não é inerente ao ser humano, não vem gravada no DNA das pessoas. Se alguém diz que me ama, mas quer me controlar — em verdade não ama. Melhor comprar um bichinho de pelúcia, para dizer que é seu. Claro que se alguém tiver algum encanto que me pareça suficiente, eu lhe ficarei eternamente aos seus pés.

Eternamente — ou pelo menos enquanto durar o fascínio.

Portanto, se saio às vezes para alguns voos livres em vez de ficar no ninho, é sinal que esses voos me são mais engraçados, mais bonitos, mais necessários, ou mais interessantes do que a simples permanência no ninho. Então — como pode alguém culpar-me por ter asas? Desde quando é proibido gostar de voos livres? Olhai os pássaros do Céu...