13.8.14

luz de velas

Quando me entrego em teus braços, menina, quase por pouco morro. Mas morro muito, por quase todo. Para em ti entrar, tenho antes que sair de mim. E mesmo que seja por pouco tempo, é por todo o tempo meu. Hoje estou dançando à luz de velas.

Um comentário:

Edson Marques disse...

Meus amores são todos madrugantes. Matutinos. Vespertinos. E noturnos...


Eu também.