13.7.14

13

A nova Lua, escandalosamente nova e nua, deitada aqui no madrugante chão azul deste meu quarto, crescente, me pede um copo dágua. Antes, dou-lhe uma frase que me ocorre agora: Quero colocar os meus anseios no teu peito, meu amor. Então levanto-me, abro a janela da Vida — e vejo que já é domingo de novo... Que delícia!

Um comentário:

Edson Marques disse...



Tomando leite gelado, e tomando o Sol que entra pela janela da sala. Em São Paulo. E pensando em Platão e Aristóteles. E nas unhas azuis da menina de ontem...

Transbordando de alegria!


É a Vida!