15.1.14

brilho muito e sumo logo

Eu te mostro sempre coisas novas, meu amor. Comigo você nunca vai se acostumar. Nem haverá tempo: filho do relâmpago, sou passageiro do teu peito, brilho muito e sumo logo. Desapareço tão depressa quanto chego. Não quero nunca te cansar com excessos de presença: só quero mesmo é apurar os teus sentidos — refiná-los com poesia e com fascínio — e depois te jogar no mundo inesquecível dos amores novos. Carinhosamente.

7 comentários:

Edson Marques disse...

Acabo de falar com a Rose. Hoje sonhei com ela. Ainda mora em Paris...


http://mude.blogspot.com.br/2014/01/brilho-muito-e-sumo-logo.html

Edson Marques disse...

Ontem vi duas baratinhas no banheiro do escritório de SP. Pedi então que se comprasse um potente inseticida. Mas, à noite, em vez de dar-lhes o veneno, lhes dei comida. Coloquei um pouquinho de patê numa folha de papel, e lhes ofereci — carinhosamente.
Comeram.



No Guarujá houve um tempo em que eu tinha uma chamada Teresa. Ela gostava de pizza Hut. Vinha até perto do meu pé, para comer seu pedacinho... E depois se ia, balançando as anteninhas. Agradecendo. Me dando tchau... rs!


Essa história da Teresa eu conto, com detalhes, no meu livro Solidão a Mil.

Edson Marques disse...

Sou fiel a todos os meus amores. Não excluo nenhum.

Edson Marques disse...

O lugar onde buscamos recursos para sobreviver quase nunca é o mesmo onde vive a nossa própria sanidade.

Esquizofrênico isso, não?



Ou seja, perdemos a vida onde supomos ganhá-la.


Edson Marques disse...

Ou farei da minha vida uma obra de Arte — ou não farei nada.

Edson Marques disse...

Toda emoção é produto do raciocínio.

Edson Marques disse...

Às vezes temos que violar a lei para conseguirmos a cura.





Quem chega a Deus pelo raciocínio será salvo. Quem chega pela fé, não.



Escrito agora, nesta madrugada linda em SP.