12.10.13

eu

Eu não abro concessões àqueles que possam querer me prender. Não jogo minha própria vida em troco de salário, prestígio, poder, posses, coisas, tranqueiras. Não permito que me roubem esse único presente que hoje tenho. Não aceito promessas de um futuro que nem sei se vai haver... Não assumo compromissos que me sufoquem, ou que me levem à exaustão para cumpri-los. E também não crio dependências que me prendam, em hipótese alguma. Não tenho chefe, não tenho patroa, não tenho filhos, não tenho noivas, não tenho muitas namoradas e nem faço juras de amor eterno. Não tenho planos mirabolantes que possam sugar minha existência gostosa de agora. Faço só o que me dá prazer — e apenas pelo prazer. Sem maldade. Sem dor, sem pressa, sem cansaço, sem inveja, sem ciúmes, sem mágoas, sem esforço desumano. Sem explorar quem quer que seja. Quem me conhece sabe que não é um mero jogo de palavras: eu sou assim. Sou o dono do meu tempo. E isto — por enquanto — me basta:

2 comentários:

Edson Marques disse...



Quando eu retorno de um sonho, meu cérebro vem ainda mais preparado para criar outro!

É a vida...

Link para o texto de hoje:
http://mude.blogspot.com.br/2013/10/eu.html
É uma revisão do original, que escrevi em 03.01.2013:
http://mude.blogspot.com.br/2013/02/honestidade-pessoal.html

Acabei de ouvir o sino do Mosteiro de São Bento, ao longe. Mas, perto. Tenho que voltar lá, falar com Dom Bruno, sobre a data em que faremos a lavagem da frente do Mosteiro, como eu lhe prometi.

Amanhã, domingo, a missa lá é muito linda!

sonia k. disse...

Bom dia!
V. me confunde e por vezes não sei se v. mora ou se instala a cada tempo de uma forma ou local.
Faz tempo que não o ouço falar dos pássaros no parapeito, das bananas caturras, de sua preocupação em não deixar faltar as frutinhas.
Aqui tenho uma praça enorme em frente à minha casa, onde diversas raças de pássaros moram, fazendo um barulhão ao final da tarde pra se ajeitarem e, pela manhã, saem em bandos cantando, gritando, cada qual seguindo seu destino.
Nunca gostei de pássaros em gaiolas. Mas, vencida pelo cansaço rs, acabei dando pras crianças aqui uma calopsita e um periquito azul.
Falo com eles e já se achegam abaixando as cabecinhas pra serem acarinhados. Uma graça.

Missa... v. me lembrou bem. Faz muito tempo que não vou a uma. As do Mosteiro são mesmo bonitas e bem trabalhadas.
Mas meus papos com Deus têm sito muito tête-à-tête, com inúmeras perguntas e buscando as respostas (como sempre sou curiosa, né?).

Tenha um lindo final de semana, com todo o seu TEMPO ocupado com o que lhe dá prazer.
Carinhos