18.9.13

sou

Sou o autor da minha vida e o próprio personagem. A dança e o bailarino, a música, o regente, o compositor. A ternura mais vermelha e delicada, o lóbulo da orelha do meu amor. O beijo e o orgasmo, a delícia e o licor; o êxtase, e todas as auroras brilhantes que ainda vão chegar. Sou o céu estrelado, a língua do horizonte e a voz do mais além. Sagrado e profano, sou profundo e supérfluo. A origem da tragédia, a Luz e o pó... Sou mínimo e tanto, pouco em princípio, paixão e excesso, glória, desejo, emoção. Sou infinito no meu coração entusiasmado, e a última labareda de uma espécie de fogo em extinção.
Ou seja — nada!
(...)
Este texto é longo, e continua para muito além daqui. O original completo estava no meu livro Solidão a Mil, primeira edição, volume 1, de 1998. Excluí das edições posteriores.

4 comentários:

Edson Marques disse...

Reflexões da madrugada. Depois de um sonho.

Por falar em sonho, ontem eu tive um longo e delicioso sonho lúcido!

É a vida.


http://mude.blogspot.com.br/2013/09/sou.html

Edson Marques disse...

E eu fico aqui pensando: será que alguns leitores percebem a dança das vogais tônicas nos meus textos?

Edson Marques disse...

Não existe distância crítica perfeita que possibilite a instauração de uma justiça imparcial, no reino da Razão.

Ou eu teria dito no reino da Estética?

Justiça ou julgamento?

Melhor tomar antes um café. Com Deus e açúcar...

Suzi disse...


Bom dia!

Percebo sim, após subtrair algumas consoantes átonas... Rs!

Jesus, como já disse, isso pega!

Beijão,

Suzi

Em tempo, nunca haveria a perfeita harmonia em nenhuma das hipóteses, e sobre Justiça... Ora, bolas a justiça. Foi uma senhora ceguinha, hoje é também surdinha. Pena que não fique muda logo de uma vez, e profira menos besteira.

Sem tempo, em nenhum tempo serão equacionados de modo que se leve a termo, os fatores: homens, Justiça e imparcialidade. Jamais!

Vide as estórias da História, e as projeções para o Mercado de Futuros.

O medíocre fator dominante, apesar ser bem pequeno, o menor da equação, é o complicante. O homem.