28.9.13

mulheres

Toda mulher é silenciosa por dentro. A existência pura se manifesta em cada detalhe. Assim na terra como no céu, amar as mulheres é uma experiência religiosa. E eu as amo, fina substância, como deve amar quem ama de verdade — incondicionalmente. Eu as amo com a graça de um cisne que dança num lago tranqüilo e a ousadia de um touro selvagem recém-despertado. Não lhes faço perguntas, não as pressiono por nada, não lhes tiro o encanto e a fé, nem penso em mudá-las jamais. E a todas eu só quero lhes dar meu tempo e meu espaço, além de flores e ternuras, estrelas e paixão, amor e liberdade!

Um comentário:

Edson Marques disse...

Eu republiquei esse texto (alterando-o, significativamente) porque me apaixonei de novo ontem à noite.

Mais do que anteontem...

É a vida!