2.7.13

pontos de vista

PONTOS DE VISTA

Quero te fazer umas três ou quatro perguntas, cujas respostas podem me dizer quem você é: Especialmente em questões subjetivas — tais como política, amor e religião — quando você não concorda com determinadas concepções, também considera que a razão pode estar lá no outro lado? Em certas discussões, você tem abertura intelectual suficiente para eventualmente considerar que o ponto de vista contrário ao teu pode estar até mais próximo da verdade? Você já não defendeu valores, ideias e proposições que depois envelheceram, desesperadamente? Desde a infância ou adolescência, você já não teve tantas certezas absolutas que mais tarde foram fulminadas pelo tempo, pela experiência e pelo estudo? Sobre certos assuntos, você já não mudou de ideia muitas e muitas vezes? E será que agora nunca mais vai mudar? Será que você já chegou a todas as conclusões possíveis?

3 comentários:

Edson Marques disse...

Eu e a Madrugada somos apaixonados, um pelo outro. Embora tenhamos, amorosa e livremente, nossos próprios pontos de vista.

É a vida...

http://mude.blogspot.com.br/2013/07/pontos-de-vista.html

Edson Marques disse...

Caso você queira copiar esse texto para publicá-lo em outros locais, espero que cite o autor:

PONTOS DE VISTA

Quero te fazer umas três ou quatro perguntas, cujas respostas podem me dizer quem você é: Especialmente em questões subjetivas — tais como política, amor e religião — quando você não concorda com determinadas concepções, também considera que a razão pode estar lá no outro lado? Em certas discussões, você tem abertura intelectual suficiente para eventualmente considerar que o ponto de vista contrário ao teu pode estar até mais próximo da verdade? Você já não defendeu valores, ideias e proposições que depois envelheceram, desesperadamente? Desde a infância ou adolescência, você já não teve tantas certezas absolutas que mais tarde foram fulminadas pelo tempo, pela experiência e pelo estudo? Sobre certos assuntos, você já não mudou de ideia muitas e muitas vezes? E será que agora nunca mais vai mudar? Será que você já chegou a todas as conclusões possíveis?

Flores...

Suzi disse...

Edson, boa tarde-noite!

O meu com açúcar, por favor!

Sempre que possível. Mas, adoçante... Jamais.

Minha sábia mamãe sempre me dizia - devido ao meu estúpido radicalismo sobre certas questões - "Nunca diga NUNCA!".

Não tem açúcar, só adoçante?!! Sem nenhum problema, tomo o "negrinho" purinho mesmo. Amo café.

Sobre meu radicalismo, o passar do tempo está se encarregando de me fazer menos estúpida. E, mais sábia em entender e aceitar que algumas coisas jamais mudarão.

Nunca mudarão. Contrariando minha doce mamãe. Afinal ela esqueceu de computar naquele seu ditado de "papagaio de repetição", que contra fato concreto, sim, podem haver argumentos - é salutar isso!

Mas a verdade é somente uma. Não pertence a mim, nem a ninguém não tem dono. Mesmo que uns não queiram.

Nesta infinda questão, somente uma coisa me entristece, é ter o sentimento de que desde priscas eras - falo da época em que espelhos foram trocados por confiança - até os dias de hoje, é de nem poder imaginar o que poderíamos ter vindo a ser como Nação.

Pior que isso, poder imaginar o que sim, seremos...

O que me lembra outro poeta:

...respeitosamente...

"No meio do caminho da história tinha o homem,

Tinha o homem no meio do caminho da história.

O homem e... suas peculiaridades, idiossincrasias, subjetividades... Enfim, toda a sua "humanidade racional"