20.6.13

inexclusividade

A exclusividade não é natural. Não é inerente ao ser humano, não vem gravada no DNA das pessoas. Se alguém diz que me ama, mas quer me controlar — em verdade não ama. Melhor comprar um bichinho de pelúcia, para dizer que é seu. Claro que se alguém tiver algum encanto que me pareça suficiente, eu lhe ficarei eternamente aos seus pés. Eternamente, ou pelo menos enquanto durar o fascínio. Portanto, se saio às vezes para alguns voos livres em vez de ficar no ninho, é sinal que esses voos me são mais engraçados, mais bonitos, mais necessários, ou mais interessantes do que a simples permanência no ninho. Então — como pode alguém culpar-me por ter asas? Desde quando é proibido gostar de voos livres? Olhai os pássaros do Céu...

Um comentário:

Edson Marques disse...

No Amor, exclusividade é uma coisa que se oferece. Jamais deve ser exigida. Oferecê-la, espontaneamente, e por algum tempo — pode ser uma sublime demonstração de Amor. Mas, exigi-la do outro, eternamente — é de uma pequenez monumental de fazer dó. Uma desgraçada ofensa à própria Liberdade.

Eu aqui fiquei pensando: Você já imaginou o quão vergonhoso e humilhante é exigir fidelidade de alguém que amamos — e que supomos que nos ama?

http://mude.blogspot.com.br/2013/06/inexclusividade.html