12.5.13

mae

Hoje é também o dia dela. E agora me lembro das canções de ninar que ela cantava para que eu não dormisse — do Kyrie Eleison ao Noel Rosa. Eu me lembro do conselho que sempre me deu: que eu nunca deixe de ser Eu. E me lembro do dia em que eu nasci: era um dia de duplas esperanças. Era uma noite de luar azul escandaloso. Era um sábado de aleluias e esperas, de poesia e de romance... Era uma casinha de madeira e primaveras, ao lado de uma bela roseira branca, no finzinho de uma rua principal. Era hora de metáforas, era hora de loucuras. Como toda musa entusiasmada era fora deflorada com amor e alegria por um louco e delicado jogador, que se chamava Luiz. Era outra vez madrugada e ela encantada outra vez. Foi então que essa Mulher sagrada decidiu me dar A Luz. E deu. Era o começo de duas histórias de Amor.
Esta foto foi feita há 13 anos. Logo, ela está hoje cerca de 19,75% mais velha...

Antes do leite, antes do açúcar, antes do arroz com feijão — eu queria mesmo era o amor que ela me dava. Este foi meu primeiro e mais querido alimento: o Amor. Como se pode notar, eu sempre me alimento de Amor e de Mãe, de risco e paixão, de glória e loucura, flores, estrelas, matemática, poesia, lógica, vinho... e mulher. E liberdade — é claro.

Ela jamais quebrou as lanças da minha ousadia. Ela nunca pensou em cortar-me as asas de pássaro livre. Ela me apoia com entusiasmo, incentiva os meus saltos profundos e me aplaude em todas as conquistas. Ela compreende os meus gestos, mesmo quando parados no ar. Ela me aceita como sou, inteiramente. E me faz acreditar, cada vez mais, que o verdadeiro amor é a união delicada de duas espontaneidades, a fusão poética de dois devaneios... Ou mais.

7 comentários:

Edson Marques disse...

Essa foto foi feita há 13 anos. Logo, ela está hoje cerca de 19,75% mais velha... rs! Mas continua saudável, sorridente, bem-humorada. Aliás, eu nunca a vi triste. Sempre cantando, alegre, agitando as circunstâncias. Nunca brigamos. Nenhum tapinha, nenhum puxão de orelhas, nenhum grito. Nós dois sempre nos compreendemos um ao outro. Como sou-lhe o primogênito e (suponho) o preferido, há toda uma mitologia em torno disso... rs! Acho que até Einstein explicaria melhor do que Freud essa nossa maravilhosa relação de Amor.

É a vida!

http://mude.blogspot.com.br/2013/05/mae.html

sonia k. disse...

É linda essa sua relação com sua mãe. E ela deve ser realmente uma criatura sensível, meiga e carinhosa, daquelas que todos querem ter por mãe.

A minha se foi aos 94 anos, há oito anos atrás, mas me deixou uma saudade incrível. No decorrer da vida até brigamos muito devido à enorme diferença de gerações, pois quando nasci ela tinha 35 anos, mas as brigas nunca toldaram o enorme amor que mantivemos até o fim. Também era uma pessoinha saudável, alegre, vaidosa e saiu de cena sem aviso, quietinha e tranquila com aquele ar de dever cumprido.

Não sou muito convencional, mas já que hoje se comemora, então um muito feliz Dia das Mães para todas as que estão por aqui.

Minhas filhas virão pra fazer o almoço aqui em casa (pela primeira vez elas farão tudo e eu só vou assistir e participar rsrs)
A vida às vezes nos tira períodos de bonança total, mas envia situações inexploradas e gostosas de viver.
É a vida.....

Bom domingo, amigo querido.

Lisa libanesa disse...

Edson,

Venho aqui, para lhe desejar um lindo Dia das Mães.... esperando que você esteja aí com ela, para sentar-se à mesa e sent´-la bem mais perto do que ao telefone....
Pode ser comécio, ou não, mas considero este o dia mais importante do calendário, depois do Nascimento de Jesus...(Natal)...
Não tenho mais a minha, mas queria muito que todos os que ainda a têm, que façam de tudo para sempre estarem por perto dela, para que mais tarde, tenham bons momentos para recordar...
Lindo domingo, meu poeta, lindo....
Lindo domingo, Iracy....que Deus a anebçoe hoje e sempre!!!
Amo você.... mamãe querida!

Beijos...

Deus o abençoe...

Suzi disse...

Edson, ainda um bom dia!

Quando você fala de sua mamãe muita coisa se explica... Em todos os sentidos! Rs...

Passando para parabenizar tua mamãe e também todas as outras que aqui vêm te ver, abusando e me valendo das lindas palavras das suas duas queridas acima.

Aqui, tudo pronto, uma chefe amorosa, eu... acabei de aprontar um almoço “the Best” para a minha querida. Ela sempre adorou, espero que hoje também. Celebrar, alegria, música e risos, causos e piadas, lembranças...

Ela está sempre comigo, eternamente e para sempre.

Detalhe irrelevante, hoje está em outro plano.

Carinhos maternos... Rs... para o Edpon!

Suzi

Em tempo, não deixo de celebrar mais nada na minha vidinha... nem topada num toco... Vai que, eu e meu dedinho, sejamos socorridos por um enfermeiro lindão, sarado e carinhoso... Rs!

Edson Marques disse...

Acabo de falar com ela por telefone. Deliciosamente. Amorosamente. Divinamente. Rimos e gargalhamos sobre as coisas da vida. Penso até em criar um personagem com base em minha Mãe. Vou chamá-la Nossa Senhora de Iracy... rs!

Dilly Monnete disse...

Mãe é esse amor incondicional que nos acompanha a vida toda <3
Um abraço pra tua mãe, meu amigo poeta.

Ateliê Tribo de Judá disse...

Simplesmente lindo.
Beijos
Joelma