4.4.13

sol

A ave do paraíso em que eu me transformei tem duas asas coloridas e saudáveis. A primeira delas é o amor desgovernado; a segunda é a liberdade absoluta. E se eu não bater ambas as duas — simultaneamente — eu caio.

2 comentários:

Edson Marques disse...

Tomando café (que fiz com água benta) e aguardando que venham os azulões comer a banana que lhes coloquei no altarzinho deles...

É a vida:

Cada vez mais maravilhosa!

Edson Marques disse...

Para viver, só preciso de vento...

Vento, oxigênio, poesia e glicose.

Vento, oxigênio, poesia, glicose, flores, estrelas, vinho e amores.

E muita liberdade, também, é claro!