28.4.13

cara metade

Tem gente que vive buscando sua cara-metade. E tem gente que vive tentando ser essa cara-metade. Todos se decepcionam. Cara-metade não há. Ninguém completa ninguém.

As pessoas que acreditam na existência de almas gemas ou caras-metades não devem conhecer a Lei das Probabilidades Compostas. Pois, considerando-se os mais de sete bilhões de seres humanos que hoje existem no mundo, como pode uma cara-metade, exatamente a minha, nascer na mesma cidade em que eu nasci? Ou, como pudemos ambos ter saído da cidade em que nascemos, tão longe uma da outra, e vir nos encontrar exatamente aqui? E, além disso, como fomos levados a tomar o mesmo ônibus ou metrô naquela segunda-feira chuvosa de agosto? Ou, como pode a minha cara-metade ter vindo trabalhar na mesma empresa em que eu, por acaso, deixei meu currículo? E o que é mais interessante: como pode a minha cara metade — a minha alma gêmea — ser essa pessoa tão maravilhosa que é? Que sorte Deus não tê-la feito uma bruxa qualquer, ou um demônio peludo ciumento... Que sorte fantástica eu ter merecido esse astronômico conjunto de fatores que me trouxeram essa minha tão doce cara-metade!

Ou não.

5 comentários:

Edson Marques disse...

Depois eu continuo esse tema.
Agora, vou tomar o café...

http://mude.blogspot.com.br/2013/04/cara-metade.html

Ygo Maia disse...

Às vezes as pessoas procuram muito. Idealizam a pessoa ideal, mas na verdade esse negócio de cara-metade... não sei, não.
Será que existe?

sonia k. disse...

Na realidade, creio que somos seres inteiros buscando outros iguais para caminharmos juntos. Não creio em cara metade, em tampa de panela e coisas do gênero.
Cada um...cada um... com mais um = vida!
Boa semana!

Francisco Dalsenter disse...

Buscar no outro a alegria e a felicidade é um erro que nos é ensinado desde pequenos. A mídia, as novelas, a televisão, tudo cria imagens de como se deve ser feliz.

Os príncipes não existem, até porque ninguém aguentaria conviver com alguém tão chato e tão perfeito assim rsrs

Abraço poeta!

Francisco Dalsenter
http://muitomaisquesonhos.zip.net/

Edson Marques disse...

O preço de ser livre é muito mais alto do que o de ser escravo — eu sei...

Mas vale a pena pagá-lo à vista!