11.2.13

reabrir o vinho

Todo jogo tem suas regras. E o que é a vida, se não um jogo? O melhor deles — e o mais gostoso de ser jogado. Acho que vou reabrir este capítulo como se reabrisse a garrafa do vinho francês que acabei de buscar. Tomo então um gole redondo do Baron D’Arignac, rouge, respiro fundo — e ataco minhas lembranças como se fosse um leão. Às vezes você precisa pôr uma pedra enorme no próprio sapato para sentir-se vivo. Quem só pisa em espumas não cria coragens. Quem só vê o macio não sabe a dor.

5 comentários:

Edson Marques disse...

O texto de hoje é o que reabre o Capítulo 13 do meu livro Solidão a Mil. Escrito em 1999, no Guarujá, enquanto eu me lembrava dos tempos em que, aos 18 anos, morei na região do Mercado em SP.

É a vida!

Em todos os Sentidos...

http://mude.blogspot.com.br/2013/02/reabrir-o-vinho.html

Edson Marques disse...

Aos 19 anos eu comprei o meu primeiro carro. Ainda morando na pensão. Ou seja, sempre achei a mobilidade mais importante (e muito mais interessante!) do que a casa própria... rs!

Claro que não são coisas mutuamente excludentes. É perfeitamente possível ter ambas. Mas, se eu tiver que escolher... Não tenho dúvidas!

Lembrar-se que meus dois irmãos (Paulo e Beto) já morreram, recentemente, com menos de 50 anos de idade. Ambos com muitas casas próprias, mas sem nunca terem tido carros conversíveis... Uma questão de opção, deles.

Tony Manna disse...

Caro Edson,
Surpresa muito agradável, foi o que senti quando vi você na lista do meu blog...
Perguntei-me:
Como ele descobriu que usei seu poema ?
É, gostaria de saber, pois nunca tinha lido nada seu e buscando sobre mudança encontrei entre vários o seu poema e escolhi sem hesitar, e logo você apareceu como que reclamando seu direito, hehehehe
Me desculpe o facto de ter usado sem lhe ter pedido permissão.
Aproveito para lhe dar os parabéns por esse poema de todos !!
abraço

Renata Audi disse...

Olá, não retirei o texto do seu blog, apenas fiz algumas pesquisas no google em alguns sites para conferir se a minha versão estava escrita do jeito certo. Não reparei que o texto não era da Clarice, pois copiei de um e-mail que recebi de uma amiga e estava assim. Muito obrigada por me corrigir, vou ver os vídeos sim, pesquisar mais e corrigir também aqui no blog para que esse erro não continue.
Obrigada
Abraços.

In Pressões disse...

Maravilhoso!