27.2.13

ela

Quando se trata de relações de amor — se eu concedo liberdade ao outro, não tem como ele negar-me a minha. /// Eu gosto muito de escrever sobre Amor e Liberdade. Acho que são estas as duas coisas mais importantes do mundo. Sem elas, ambas juntas, é impossível ser feliz.

4 comentários:

Edson Marques disse...

Todos os dias em falo com Ela.
É a vida...
http://mude.blogspot.com.br/2013/02/ela_27.html

Edson Marques disse...

Escrevi: "se eu concedo liberdade ao outro". Porém, liberdade é algo que não se concede: é algo que não se deve tirar do outro.

Vou (talvez) reformular a frase.

Edson Marques disse...

Houve tempos em que eu fui primogênito; hoje sou filho único.

sonia k. disse...

Liberdade, como a palavra diz, não se concede nem se recebe.
Ela existe. Entre pessoas, dentro de nós mesmos, respirando em conjunto com o todo.
Amor é o fato que vai adentrando nossas almas, se instalando e sendo no final nós mesmos, dando e recebendo.

A questão de ser filho único, querido, é algo que sempre até me incomodou. Por força de contingências, mesmo tendo irmão, sempre fui a primogênita e única.
Acabei sendo na realidade o elo que unia meus pais ao mundo, de quem esperavam tudo ou nada. Uma responsabilidade que poderia dizer dispensável, mas real.
Feliz ou infelizmente, não mudamos o curso disso que ganhamos ao nascer e que chamam vida.
Bjs