18.2.13

deus sorriu pra mim

Ontem no mercado, já o tendo escolhido antes e longe da respectiva prateleira, desisti da compra de um certo produto. Carrinho cheio, querendo ir logo pra casa, filas no caixa, e um produto que não mais quero em minha mão. Longe. E Deus me olhando. Por alguns momentos eu cheguei a pensar em deixá-lo numa gôndola qualquer, por aqui, bem pertinho. Mas Deus continuava me olhando — sério. Tive então que caminhar quilômetros para devolver o chocolate ao lugar certo. E Deus continuava me olhando... Só que agora sorrindo agradecido alegremente para mim. Então, eu também sorri. E derramei algumas flores na cabeça Dele.

Claro que as minhas histórias são quase todas alegóricas. Eu adoro parábolas... E esse critério acima descrito vale para chocolates e para uma série de outras coisas. Vale até mesmo para as pessoas que amamos. Onde deixá-las, quando as deixamos de amar?

Eis a questão.

6 comentários:

Edson Marques disse...

Deus gosta tanto que eu derrame flores na cabeça Dele, que às vezes me pede para repetir tudo outra vez.

Baseado em fatos reais. Só que não foi ontem. Mas isso me lembrou do que me dizia minha Vó Vitalina: "Faça tudo certo, pois Deus está sempre olhando..."

Essa história eu sempre conto para meus sobrinhos. E a contaria também para meus filhos, se os tivesse.


http://mude.blogspot.com.br/2013/02/deus-sorriu-pra-mim.html

Edson Marques disse...

Uma das melhores coisas de ser poeta como sou, livre e saltitante, é que posso fazer o que bem entendo. E até o que não entendo muito bem... rs! Sentei-me aqui, tomando café, ouvindo um tiziuzinho, e pensando em revisar um projeto de criação de uma nova empresa (AO). Mas daí encontrei esse texto (escrito no Guarujá em 2001), fiquei mexendo nele, me lembrando da Joyce Ann, da minha Mãe e da minha Vó Vitalina, me lembrando dos meus amores todos, do Neruda, do Lorca, etc.

Pois, é.
É a vida...
Vou pegar mais um café. E continuar escrevendo sobre o Oxigênio, que eu suponho ser a partícula divina. Mais ainda quando hidrogenado, pois vira água em determinadas condições de temperatura e pressão.

Edson Marques disse...

Claro que as minhas histórias são alegóricas. Eu adoro parábolas... E esse critério acima descrito vale para chocolates e para uma série de outras coisas. Vale até para pessoas que amamos. Onde deixá-las, quando as deixamos de amar?

Eis a questão.

sonia k. disse...

Olá, amigo! Sua historia do produto a ser colocado de volta já li anteriormente e devo ter comentado que eu colocaria onde desse sem maiores preocupações.E, com certeza, Deus ia sorrir e concordar.
E fiquei pensando em sua condição de poder fazer o que quer quando quer. Não creio que é só porque é poeta, livre e saltitante. Conseguiu chegar ao status de liberdade pessoal que assim permite. Tem gente que passa pela vida sem chegar a conhecer isto, já imaginou?
Às vezes até podem mas desaprenderam ou não entenderam quanto é importante essa liberdade de ser.

Onde deixar as pessoas que deixamos de amar? Precisamos criar um arquivo especial, pois elas foram amadas, então representaram algo e ficou a lembrança, não?
Hoje vou fazer como v. Vou pensar em algo diferente e conto depois.
Linda semana e vá derramando flores sobre Deus que ele te ama também por isto.

Edson Marques disse...

Sonia,

Você é um amor!

Flores...

***MissUniversoPróprio*** disse...

Comigo é sempre assim...por mais que um lado de mim deseje que eu faça as coisas da forma mais 'fácil', o outro sempre insiste para que eu aja da forma mais 'correta'. E é bem como você disse...funciona com chocolates, pessoas e tudo o mais que compõe o dia-a-dia.

Muito bacana. Fazia um tempão que eu não te lia e hoje dei de cara com você me seguindo no meu blog! Quanta honra, muito obrigada!

;)