29.1.13

salvar-se de si

Primeiro você tem que salvar-se de si mesmo. Só depois é que vai salvar-se desse outro que te oprime por fora. Teu maior carrasco mora dentro de você.

Às vezes, tenho vontade de escrever algo mais sério e mais profundo, mas logo me contenho, porque aqui é só um blog de ensaios poéticos e loucuras despretensiosas. Não sou especialista em Freud, mas gosto muito dele, e o leio bastante. Suas teorias encantam a todos que procuram conhecer um pouco da alma humana. O genial criador da Psicanálise tem sacadas brilhantes. Essa da interiorização é uma delas. A chamada interiorização simbólica da autoridade, que ocorre desde a nossa primeira infância, levanta em nosso peito uma barreira impressionante. Quase intransponível. Não vou contar a história toda, mas, se o tema te interessa, dê um google por aí. O fato é que a culpa, o medo, o ciúme, a inveja, os preconceitos, a ignorância — todas essas coisas horrorosas nos afastam do amor e da alegria, da liberdade e do prazer.

6 comentários:

Edson Marques disse...

Primeiro você tem que salvar-se de si mesmo. Só depois é que vai salvar-se desse outro que te oprime. Teu maior carrasco mora dentro de você.
MS-98044:
Manual da Separação - ed. 1998 - página 44.

É a vida.
Em todos os sentidos...
http://mude.blogspot.com.br/2013/01/salvar-se-de-si.html

Edson Marques disse...

Às vezes, tenho vontade de escrever algo mais sério e mais profundo, mas logo me contenho, porque aqui é só um blog de ensaios poéticos e loucuras despretensiosas. Não sou especialista em Freud, mas gosto muito dele, e o leio bastante. Suas teorias encantam a todos que procuram conhecer um pouco da alma humana. O genial criador da Psicanálise tem sacadas brilhantes. Essa da interiorização é uma delas. A chamada interiorização simbólica da autoridade, que ocorre desde a nossa primeira infância, levanta em nosso peito uma barreira impressionante. Quase intransponível. Não vou contar aqui a história toda, mas, se o tema te interessa, dê um google por aí. O fato é que a culpa, o medo, o ciúme, a inveja, preconceito, a ignorância — todas essas coisas horrorosas nos afastam do amor e da alegria, da liberdade e do prazer.

Edson Marques disse...

A perspectiva da águia é mais abrangente do que a perspectiva do jacaré.

sonia k. disse...

Bom dia, companheiro de todas as manhãs.
Fico lendo você e me vem o pensamento de que o saber vai ampliando a condição de não felicidade.
Na perspectiva dos chamados especiais, dentro de suas limitações,se perguntados, são felizes. Não explicam, mas são. Será que a ignorância realmente é a mãe da felicidade?
V. fala em culpa, medo, ciúme, inveja, preconceito, ignorância, como formas de afastamento do amor, alegria, liberdade e prazer.
Mas juntando tudo isto, é a vida, não tem jeito.

Freud explicou muito em sua genialidade, mas existe fórmula de felicidade? Ele mesmo foi descomplicado e feliz?

Dentro das limitações vitais, será que a águia tem mesmo mais abrangência que o jacaré? Cada um na sua, devem encontrar suas satisfações.

Muitas perguntas para um começo de manhã...
E estou precisando muito manter o foco em algo que me perturba.

Carinhos por esse dia que surge e segue.

Edson Marques disse...

Sonia,

Em primeiro lugar, peço que Deus derrame flores por sobre aquilo que precisa hoje do teu foco principal.

Em segundo lugar, e do meu ponto de vista, creio que a águia tem realmente uma perspectiva mais privilegiada do que o jacaré.
E o jacaré mais do que a minhoca, e assim por diante. Cada um vê só o que pode. Essa minha metáfora é dirigida (como você bem sabe) aos seres humanos em geral... rs!

Quanto à tua questão sobre a possibilidade de a ignorância trazer "mais" felicidade, meu irmão Paulo tinha essa tese. Certamente que eu não concordava com ele. Mas, com você, vou pensar um pouco mais...

Flores!

Amazing break disse...

Booa noite, vim convidar-lhe à seguir meu blog de arte e dança.

Muito grato,

John L. S.