23.1.13

perda

Estou perdendo um grande amor... Que eu supunha estar no pico e na hora certa de perdê-lo de vez. Mas pode ser que não. Pois a cada minuto que agoniza agora em minhas mãos, inocente e delicado, sinto que ele cresce ainda mais — e de uma forma impressionante — no meu próprio coração.

Eu amo a perda, e até acho-a necessária e fascinante nas relações de amor. Mas tem horas que eu suponho ser preciso suspendê-la por uns tempos. Tem horas que eu sofro uma recaída inexplicável — e amo como se fosse um simples imortal...

8 comentários:

Edson Marques disse...

E nesta madrugada encantadora, enquanto os azulões e os sanhaços ainda não acordaram, estou ouvindo a deliciosa música e a mágica voz de Azam Ali.

Depois eu continuo a minha história...
Primeiro eu faço, depois eu conto!

http://mude.blogspot.com.br/2013/01/perda.html

Edson Marques disse...

Mas, antes de amar a perda, eu amo amar o Amor.

sonia k. disse...

Vem o amor em mim.
Aquele amor que é chuva de verão.
Surge de repente,
é forte, impetuoso, vibrante, indomável,
mas já sei que se vai como o ar.
Sou assim, feita de amor.
Amores de chuva de verão,
que propulsionam o viver.
E vivo intensamente o amor,
mesmo que ninguém saiba ou note.
Mesmo que o amorteça
e viva-o só na imaginação.
É quase um amor adolescente
que se mantém dele próprio.
Talvez seja isto o que sinto.
Amor pelo próprio amor.
E concordo sempre:
“…o amor…. que não seja imortal posto que é chama,
mas que seja infinito enquanto dure….” SK/73

Escrevi isto ainda jovenzinha, mas sempre achei que o amor é para ser vivido intensa e loucamente enquanto chama acesa. Ele pode até amortecer por períodos, renovar-se com ardor ainda maior... mas é cíclico dentro do peito. E é nisso que consiste a beleza e a força do amor na vida dos mortais ou imortais.

Bom dia, com o amor ardendo sempre em sua vida.

Suzi disse...

Edson,
Boa noite!

Você já disse que seu coração não tem juízo, nem seu cérebro...

Você ensina a todos a saltar profundo, a correr riscos...

O que te dizer?

Já sei!

Consiga uma flor bem-me-quer!

E... Quer com o coração, cérebro, emoção, razão, ou nas bases de sua sólida (?) filosofia... ou mesmo na aposta das lindas pétalas... é vocêzinho que terá de se haver com você mesmo. Logo...

Sorte.

Sempre penso que na vida, para tudo, absolutamente tudo, só temos DOIS CAMINHOS:

1. Aquele que escolhemos
2. todos o os outros que relegamos.

Uma vez escolhido, pagar para ver.

Abraços


Suzi disse...

Sôniaaaaaaa...

Linda noite!

Poetisa, hein danada?!

"Amor de chuva de verão"... Só delícias nas acepções de cada uma das palavras, e mais ainda no sentido global.

Faz conosco o mesmo que a chuva faz com as plantas. Viço, vivacidade e vida!

A chuva vicejou o jasmim,
O amor vicejou em mim...

Só um segredinho, não idealizar nada, deixar rolar... Vicejar.

Beijo.


sonia k. disse...

Suzi, amadinha! Saudade de você!
Poetisa nada, querida. Só dou umas marteladas de vez em quando.
Vicejar sempre. Idealismos no amor é plantar sem terra. Rolar ladeira abaixo, chegar ofegante e abraçar a vida.
Grande beijo e bom te ver.

Lisa libanesa disse...

Oi poeta...que você tenha hoje um dia melhor do que os que se passaram...

Para você pensar...


Quando o sol ia acabando
E as águas mal se moviam,
Tudo que era meu chorava
Da mesma melancolia.
Outras lágrimas nasceram
Com o nascimento do dia:
Só de noite esteve seco
Meu rosto sem alegria.
(Talvez o sol que acabara
e as águas que se perdiam
transportassem minha sombra
para a sua companhia...)
oh!
Mas nem no sol nem nas águas
Os teus olhos a veriam...
_que andam longe, irmão da lua,
muito clara e muito fria...

Cecília Meireles


beijo-te...hoje e sempre!


Lisa

ਹαqueline M. Vieira ઈઉ disse...

Eu penso que a perda as vezes é boa também, e sinto a mesma coisa que você. As vezes precisamos deixa- lá de lado e não perder nada agora.