21.1.13

gesto de amor

Quando você
entrou em meu coração
e respeitou todas as flores
que lá existiam,
e conviveu com elas
por uns tempos
— isto foi um gesto de amor.

Mas agora,
agora que você
invade o meu peito apaixonado,
pisa nos canteiros,
maltrata minhas flores
e tenta arrancar algumas delas
pelas raízes
— isto não pode ser amor:
isto é violência...

Isto é violência!


Esse texto foi originalmente escrito para Dora, a linda e delicada morena por quem me apaixonei no estúdio, enquanto ainda fazia suas trezentas e sessenta fotos. Tivesse durado só três ou quatro meses, a nossa teria sido a mais bela história de amor. Mas, eu e Dora, inexperientes e afoitos, cometemos o erro primário de ficar além do Pico... Para Dora, depois de um certo tempo, já não lhe bastavam mais os meus olhares: ela queria ser a dona exclusiva dos meus olhos. Sei que era um desejo inocente de ter-me só para ela. Mas os olhos de um poeta, você sabe, não podem ser alienados. E a coisa então resultou numa situação intransponível... E nós, por ainda vivermos uma vida deliciosa e fascinante, realmente demoramos muito para reagir. Dora, no começo, era de uma leveza insuperável, mas depois se tornou, e não por culpa dela, uma espécie de âncora amarrada ao barco da minha vida. Só depois que reagimos, só depois que saltamos inteiros nos braços abertos da liberdade absoluta, só depois que passamos a nos amar de verdade, é que percebemos que essa reação poderia ter se dado antes. Muito antes. E essa é a única falha que eu acho que tivemos, eu e Dora. Por dois anos ainda tentamos manter a estrutura gloriosa da relação. Mas foram dois anos de relação às vezes desesperada. Dois anos de tempos trêmulos. Para mim — que lutei demais em defesa da liberdade; e para ela — que não conseguiu seu intento louvável de amar-me para sempre.
E agora eu fico pensando…

11 comentários:

Edson Marques disse...

Isto foi escrito para Dora. Depois eu digo as razões.

http://mude.blogspot.com.br/2013/01/gesto-de-amor.html

É a vida.

Anônimo disse...

Oi Edson,

leio seu blog todos os dias adoro!
fico pensando...porque sofremos tanto por alguém?porque as pessoas não respeitam os sentimentos do outro?acham que podem fazer o que querem,o que acham certo.muito decepcionada! Gostaria de ser muito diferente do que sou.

Claudinha ੴ disse...

Também acho que é violência, mas o amor é desconexo, desajuizado e demente, pode ser que explique essa tentativa de posse. Só com a maturidade percebemos que os elos mais sólidos se formam diante da liberdade de ser o que quiser, onde quiser, com quem quiser...
Um beijo procê!

Edson Marques disse...

Claudinha,
Também acho que é violência.
Ponto.
Sem "mas"... rs!
A desconexão e a demência "explicam" a tentativa de posse, mas não a justificam.
Flores...

Anônimo disse...

Acho que com migo mesmo Edson!mas estou tentando reagir.são muitas barreiras para ser quebradas é um processo lento.
obs: o que seria reagir?
beijos Alessandra.

Edson Marques disse...

Alessandra,
Reagir, nesse caso específico de opressão emocional, significa elaborar um Plano de Libertação. Estabelecer um cronograma para adoção de medidas rigorosas no sentido de abrir as asas... e voar.

Mais ou menos isso, a depender das circunstâncias em que você vive. Só você poder dizer o quão presa você está, e quanta força você ainda tem para lutar contra os que te prendem.

Flores...

alessandra disse...

Obrigada Edson!
flores....
Alessandra

Virgínia Viana disse...

Eu estou com saudade de ti.

Suzi disse...

De tudo tiramos aprendizado.

Agora, aos espectadores, resta imaginar que os protagonistas desta história, estejam protagonizando outras bem diferente, plenos e felizes em suas escolhas. Isso é tudo o que importa.

Lembrar que se as coisas boas findam, assim também sentimentos de desconforto. Essa é a coisa boa.

E tudo que finda, abre espaço...

Bandys disse...

Edson,

Foi a melhor definição do que é violência, ciumes e etc...

Esse seu texto pra mim é como se fosse um mantra.

Belo, lindo!!

Obrigada mais uma vez.
Estava com saudade de você la no meu canto.

Beijos e flores.. sementes tambem

Edson Marques disse...

Saudades de ti, também, Virgínia!
Flores...