7.1.13

deus ri

Deus ama quem ri, Deus adora quem gargalha — por isso nos dá tanta alegria, tanta energia, tanto entusiasmo. Mas Deus não ama aqueles que são sérios demais — por isso mesmo que os faz tão tristes, rabugentos e sem graça. Lembre-se: Quanto mais sério, mais longe de Deus! Quanto mais ranzinza, mais perto do Capeta. Pensando nisso, eu fico aqui — rindo... rs!

25 comentários:

Edson Marques disse...

Acho que agora vou almoçar.
Nem sei onde...
É a vida!
http://mude.blogspot.com.br/2013/01/deus-ri_7.html

Edson Marques disse...

Encontrei este meu texto agora, e gostei:

Qual será o perverso mecanismo que transforma esse Jesus num chefe de escritório? Que maldição faz da musa uma dona de casa? Quais são os fatores horrorosos que acabam levando um pequeno Buda em direção ao matadouro? O que é que, na maioria das vezes, arrasta um ser humano iluminado, e o joga no rodamoinho da desgraça cotidiana — e lhe apaga a luz?
(...)

Pode ser visto no link rs! do post de hoje.

sonia k. disse...

Fui acolhida por Deus, pois o que mais fiz na vida foi sorrir (até criei rugas rs) e dar boas gargalhadas (o pessoal aqui diz que tenho a risada do Muplay (que feio, né?).
Mas não pense que já não chorei muito também. Afinal o show da vida é feito de tudo um pouco.

Quanto a sua segunda colocação, já falei e repito: não sei... não sei... juro que não sei de onde surgiram tais mecanismos e fatores.
Mas, com certeza, sou contra!

Luciana Nogueira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana Nogueira disse...

Olá. Vim apenas agradecer por estar seguindo o Anjos Histéricos. Então... muito obrigada. Espero que não descubra-o tão ruim assim.

Anônimo disse...

Boa Tarde Edson,
Sou uma grande admiradora do seu trabalho, suas palavras me soam com muito sentido embora eu viva exatamente o que você condena.
Tenho 19 anos, fui mãe aos 15 do meu primeiro namorado e parceiro e desde então sou casada, ele é um homem maravilhoso, no auge dos seus 22, bom pai, atencioso, generoso, amoroso, mas um tanto antiquado e definitivamente monogamico. Me sinto presa a perfeição e estabilidade da minha vida. Será que ainda existem incertezas para mim? Ser feliz também cansa, me confundo com o significado dessa tal "felicidade". Nunca parei de estudar, estou entrando no terceiro ano de Direito. Me pego todos os dias no seu blog e no seu site buscando respostas para perguntas que ainda não encontrei. Certo dia decidida a me separar, pensei em olhar o seu site e ver "o que você teria para me dizer" e me deparei com o texto em que você diz que casar-se por impulso tudo bem mas separar-se seria burrice, tudo deveria ser bem decidido e eu deveria estar pronta para saltar. Não sei se estou, não sei se um dia estarei.. mas todos os dias me pego aqui me deliciando com seus textos e imaginando o mundo lá fora, mesmo com todos os meus amigos e familiares me dizendo o quanto eu deveria valorizar a sorte que tive em ter uma linda família.. linda mesmo é a vida! Quem sabe um dia eu descubra. Beijos e até o próximo suspiro de liberdade que encontro aqui

Anônimo disse...

Radicalizou...
Adoro essas radicalizações inteligentes!

Ana.

Bandys disse...

Oi Edson,

Deus não faz ninguem triste.
“Porque este dia é consagrado ao nosso Senhor. Portanto não vos entristeçais, pois a Alegria do senhor e a vossa força”. Neemias 8:10b

Se entristece quem quer.
E não acho que os sérios estão longe de deus, mais sim os assassino, os matadores, os estupradores, que as vezes ate dão entrevista rindo na tv.

Vi a pouco tempo pessoas perderem tudo, ficaram tristes e sérios, mais não longe de Deus.

Beijos e flores sempre.

Anônimo disse...

Oi anônimo,sei exatamente como se sente porque já vivi isso, tinha um casamento "bom" porque ele era carinhoso,bom pai,bom marido,mas não aceitava meu jeito de ser. Fiquei casada por 14 anos desse casamento tive 3 filhos, mas como pulei fases importantes da vida ja que me casei muito nova,sentia uma vontade enorme de sair,dançar,fazer amigos,viver a vida e resolvi jogar tudo pro alto, a relação estava desgastada por minha insatisfação entao me separei,mas vou te falar: não é nada facil,principalmente quando se tem 3 filhos e não se está estabilizada financeiramente,porque o que adianta poder ir e vir sem ninguem te cobrar nada se você não tem condições para isso? é tanta responsabilidade que não sobra tempo para fazer o que quero,porque tudo fica nas costas da mãe,ele com certeza vai deixar de ser o bom pai simplesmente para poder dificultar as coisas.então me separei e logo depois conheci um rapaz encantador dez anos mais jovem era o oposto do que eu vivia me joguei com tudo e nem deu tempo de ficar sozinha mas isso não foi problema porque faziamos muitas coisas juntos e tinhamos liberdade para fazer o que queriamos também, claro que sempre respeitando o outro.bom esse era o combinado né eu fiz a minha parte mas ele.... depois de 5 anos de relacionamento chega pra mim e diz:não sei se é isso que eu quero pra mim.e aqui estou eu novamente livre e desempedida podendo fazer o que você gostaria de fazer mas tão machucada que não consigo.Fico pensando a vida é tão curta,porque temos que ficar nos limitando?mas tenho refletido e visto que é uma questão interna de medos e coisas mal resolvidas antigas.
Se você tem estabilidade financeira,e sente aquele vazio que parece que está sempre faltando algo,tenho quase certeza que não vai conseguir ficar na vida morna.mesmo sabendo das dificuldades vai chegar uma hora que você vai querer voar como as borboletas.
bjs Alessandra

Suzi disse...

Edson,

Bela noite!

Está explicado! Será por isso, então?

Ando fugindo como “draculinha foge de água benta” de determinadas pessoas - sem remorsos, aliás, com bastante alívio, devo dizer! – por outro lado, ando me imantando em outro determinado grupo? Vou ficando e proibida de sair.

Estou me obrigando a isso, e de quebra aprendendo a dizer “sim” e aprendendo a dizer “não”.

Ser leve, atrai leveza...

Ser pesado, atrai... (sei lá!) Tô fora!

Vamos lá Suzi... um passinho, dandá pá ganhá papá... muito bem... outro passinho, olha o papá quentinhooooooo...

Obviedade das obviedades. Por que, algumas vezes, demoramos tanto para perceber... Sempre é tempo.

IMPORTANTE: Nunca desfaço de quem quer que seja, afinal, sempre existirá o clima para ser comentado. É o máximo que estes seres merecem de mim.

- Bom dia para você também Fulano, se vai chover? Depois te conto... rs.

Edson Marques disse...

Acabo de voltar de um restaurante na Zona Sul de SP, que eu chamo de Boteco Divino, onde tomei cerveja. Ouvi uma música bonita, que depois conto qual é, mas parece que se chama Samara...

E salvei uma barata num dos banheiros. Ela estava tentando sair da água no fundo do vaso, e me deu um trabalho danado para tirar a coitadinha de lá. Consegui!

É a vida... rs!

Edson Marques disse...

Bandys,
Eu me refiro aos sérios ranzinzas. Rabugentos. Mau humorados. Esses — eu tenho certeza! — estão a milhares de quilômetros de Deus!

Deus detesta esse tipo de gente!

Flores...

Edson Marques disse...

A primeira pessoa que comentou como "Anônimo" ("tem 19 anos e casou-se aos 15") não deixou nome, mas deixou um breve relato de uma bela história de vida. Deu-me até vontade de escrever algum texto a respeito. Essa vontade latente de saltar profundo, ainda que a situação aparentemente seja ótima.

Sim, eu disse nalgum lugar que "casar-se por impulso tudo bem, mas separar-se por impulso seria burrice", especialmente se há filhos na jogada.

Pensarei mais sobre isso.
Flores!

Na próxima, deixe um nome, ainda que fictício.

Edson Marques disse...

Ana,
Ser radical é tomar a coisa pela raiz, já dizia Karl Marx...
Que bom que você gostou!
Flores...

Edson Marques disse...

Alessandra,
Três filhos são algo muito forte a ser considerado num momento de saltar profundo. Eu sei.
Mas, 14 anos no primeiro relacionamento e 5 no segundo. Tudo acaba. Esperar de um relacionamento um final diferente de "acabar" é frustrar-se, certamente.
E, nesse caso (entre quase todos os outros), estabilidade financeira é fundamental.
Conte mais.
Flores...

Edson Marques disse...

Sonia,
Foste "acolhida por Deus e teve rugas de tanto rir"...
Adorei essa frase.
Ainda riremos juntos algum dia, ao lado de três garrafas vazias de vinho... rs!
Flores!

Edson Marques disse...

Luciana,
irei logo mais ver os teus anjos "histéricos"...
Flores!

Edson Marques disse...

Suzi,
Andas "fugindo" da minha água benta?!
Acontece que todos os meus líquidos são bentos... rs!
Flores!

Anônimo disse...

È verdade Edson a frustação é inevitavél né?Quando resolvir saltar profundo eu tinha sonhos e sinceramente achei que fosse ser mais facil,mas acho que estou indo bem, pois ja se passaram 6 anos que sai do 1 casamento.mas eu não queria deixar de ser eu mesma,gostaria que ele tivesse me aceitado como sou.mas ele tem suas limitações e por isso eu sai com os tres. tenho lido suas postagem e fico pensando sempre tem um lado que se apega mais,que sofre mais.Acredito que relacionamentos deveriam ser feito de honestidade com sigo mesmo e com o outro também.a segunda separação está muito,muito mais dificíl de superar porque mais uma vez eu priorizei o outro e me abandonei,acho que a dificuldade é de aceitar a falta de respeito e carinho com a pessoa que esteve sempre do lado quando mais precisou. mas vou conseguir afinal sou eu é que permito que os outros façam o que fazem, por isso o video do mude mexeu muito comigo quem me apresentou foi minha terapeuta eu chorei o tempo todo em quanto escutava e sempre que me sinto mal eu assisto me da animo.
bjs alessandra

Suzi disse...

Edson,

Tá tudo bem aí? Tudo certinho? Está precisando de algo. Posso ajudar?

Estimo que sim...

Fugindo eu?!! Faz é tempo, agora que percebeu...?

Beijim...

Te abraço.

Lisa libanesa disse...

Fechando a página, se me der licença....

"Deus é bom e a arte é moderna"

beijos

Lisa

sonia k. disse...

Após e até independente das 3 garrafas vazias, com certeza riremos muito. É só sentar...
Suzi querida, não fuja como "draculinha". Afinal amigos são para os SOS da vida, senão virá o castigo e ficarão sem água/líquidos bentos rsrs

Choveu aí?Aqui calor demais.
Tenham linda noite de estrelas e flores, pra acordarem viçosos e regarem os jardins.

sonia k. disse...

Perdoe, esqueci de comentar que fiquei emocionada com a história do heroico salvamento da barata rs

Keila Abreu disse...

Edson,

Essa facilidade com que vc fala e se relaciona com Deus me é muito familiar.

Quando criança eu tinha uma intimidade enorme com Deus, pq na minha concepção Deus está dentro de cada um. E já pensava assim quando nem sabia ler direito.

Depois a gente cresce e vêm uma série de concepções equivocadas. O ruim é que não se pode contestá-las. Quer dizer, até podemos, só que pagamos preços altos por isso, tudo em função das mentes pequenas da maioria das pessoas.

Outro dia eu li aquela postagem sobre Jesus chegando em casa e a Madalena reclamando. Me lembrou o livro do Saramago, "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", um dos meus prediletos, que também ilustra uma vida comum que Jesus teria vivido.

Lembrei também daquele filme "A última tentação de Cristo".

Pensar num Jesus Cristo feliz me deixa feliz também. Gosto de imaginar que ele sorria o tempo inteiro. Não tira de mim o respeito que sempre nutri pelos seus ensinamentos, principalmente o amor ao próximo.

Estou com um texto na cabeça sobre essas ideias, e pensando se no dia do Juízo Final (se é que isso existirá mesmo), em vez de um senhor rabugento, de cara fechada e num longo vestidão, Deus nos aparecesse na figura de um índio lindo, nu, com um belo sorriso no rosto.

Penso que numa situação dessas muita gente não deixaria de "amar a Deus sobre todas as coisas" só porque Ele é diferente do que a maioria supõe.

Acho muito legal a forma como você dispõe das suas ideias. Hoje em dia a maioria das pessoas nem tem ideias. E quem as tem evita divulgá-las, porque (até pela ignorância alheia) ter ideias parece algo ilícito e pernicioso.

Parabéns! Seu blog está parecendo uma cascata de ideias! (E como eu já disse no comentário à outra postagem, é muito legal também ler os comentários!)

Um abraço!

Keila Abreu disse...

P.S. No comentário acima, eu quis dizer que muita gente "deixaria" de amar a Deus sobre todas as coisas só porque ele é diferente do que a maioria supõe.