12.12.12

no jardim da minha mae

Vejo nesta manhã duas borboletas azuis dançando no quintal da minha mãe. Que tem um gramado enorme, verdejante, uma horta de cenouras, um jardim de Epicuro. Cebolinhas, araçás, um pé de limão rosa, uma parreira produzindo. Os pessegueiros em flor me lembram Kurosawa em seus sonhos amarelos. Galinhas cacarejam no terreno do vizinho. E eu fico tomando café numa xícara de cabo quebrado e divagando, deliciosamente, ao lado de um vasinho de gerânios. Afinal, alguém tem que viver...

5 comentários:

Edson Marques disse...

É a vida.
http://mude.blogspot.com.br/2012/12/no-jardim-da-minha-mae.html

sonia k. disse...

Adorei o "afinal alguém tem que viver".
Substituição perfeita para o adágio de sempre, já conhecido.

Ana Carla disse...

Adoro café!

VIDA E LIBERDADE disse...

Lendo você é como se um filme passasse aqui na tela do PC.... Chego a ver seu sorriso de felicidade, e sinto ainda o cheirinho de café....
Adoro também cheiro de mato...hortas pomares, paz, e principalmente a companhia de uma deliciosa mãe.
Beijos na dona Iracy tão querida....

12/12/12 19:08

Erica Santos disse...

Incrível a descrição.. até parece que eu estava junto, pois consegui observar tudo isso tbm!

Vc sempre arrasando em seus escritos!

Super Beijo!♥

http://dociiencanto.blogspot.com.br/