22.12.12

jesus fraldas ou perfumes

Imagine se, em vez de ter ido à Montanha fazer o Sermão, Jesus tivesse ido ao Pão de Açúcar buscar fraldas descartáveis. Ou se precisasse ter ficado na cozinha trocando o bujão de gás, ou consertando a torneira da pia. Imagine o coitado chegando em casa à noite, exausto, depois de intensas reuniões com os apóstolos, e encontra Madalena de avental, fritando bife, com as mãos na cintura, descabelada, ciumenta, cheirando a cebola:
— Jê, onde você tava até agora?!
Imagine ainda Jesus na sala, mais tarde, compenetrado, conversando com o Pai por telefone, fazendo o relatório do dia, e a esposa gritando lá do quarto:
— Amor... O Júnior tá com febre...
Pois, é: "nada" contra o casamento tradicional, mas:
Se Jesus tivesse casado, a Humanidade teria desperdiçado um Deus.



Agora, imagine uma outra cena maravilhosa: Jesus, sorrindo, deitado solto no colo de Maria, que massageia-lhe o corpo inteiro com seus cabelos embebidos em nardo, e Judas reclamando: "Porra, Jesus, esse perfume custou trezentos paus! A gente podia alimentar um monte de pobres com essa grana toda..."
E Jesus, um verdadeiro mestre zen, um iluminado, Filho de Deus, primogênito, responde:
— Não te aflijas, meu caro Judas, pois pobres sempre hão de existir, mas Eu: só hoje!

Esse cara sabia viver!


Em verdade, em verdade, eu vos digo: Há dois Jesus Cristo: o teológico e o histórico. O Jesus da Teologia é Filho de Deus, personagem central da Mitologia Cristã — e sobre Ele não quero falar agora. Nem é preciso, pois os estudiosos se encarregam disso.

Mas o Jesus histórico — esse era "o Filho do Zé Marceneiro". Desde pequenino já era diferente. Ovelha negra. Uma mistura de santo, poeta, filósofo, artista e mestre zen. Solucionava conflitos, mostrava caminhos, fazia milagres. Charmoso e simpático. Cabeludo. Falava por parábolas — ninguém o entendia. Amava mulheres e homens. Era completamente livre. Nunca se casou. Adorava uma festa: bebia vinho, dançava, brincava com todo mundo. Vivia sorrindo. Gostava de perfumes e cremes. Namorou Madalena. Dormia pouco. Jamais trabalhou...

Um era Filho de Deus, os dois eram Sábios — e ambos merecem o meu respeito.

Mas eu gosto muito mais do Poeta!


A cena de Jesus no colo de Maria e o diálogo com Judas estão na Bíblia - Mateus 26:6-13
A cena de Jesus casado está no Manual da Separação 142:4
Tal tema se deve ao Natal que se aproxima. Aliás, tudo isso vai estar no meu livro The Master of Jesus.

16 comentários:

Edson Marques disse...

Depois eu continuo.
Vou antes comer uma feijoada...
Ao lado de Jesus, é claro!
É a vida!

http://mude.blogspot.com.br/2012/12/jesus-fraldas-ou-perfumes.html

sonia k. disse...

Seus comparativos me fazem rir muito. Imaginei nos mínimos detalhes as duas cenas. Assisti como fora um cinema.
Hilárias as duas cenas. A pobre Madalena sofrida com seu Jesus acima de qualquer "Deus me livre!". E a indolência no colo de Maria, massageado com delicioso perfume, ensinando Judas que a vida é um lapso e, de repente, uma traiçãozinha e tudo acabado.
Parabéns por essa cabecinha tão capaz. Agradeço o filme que assisti com gosto.

In Pressões disse...

Poeta! Sdds daqui! Seguindo teu imperativo: "Mude", andei por muitos caminhos, atualmente chamado de hodos, devido ao meu mestrado e à descoberta da fantástica cartografia como método. Num momento de profundas transformações, completamente rendida ao amor fati, retomo antigas conexões e me deparo com seu post falando do Jesus que minha mãe adorava e no único no qual ela acreditava: o histórico. Este é o segundo Natal que nunca mais passarei com ela, que vive agora "apenas" dentro de mim. Esta mulher esplêndida que me ensinou coisas que ainda nem reconheço, foi, sem querer, lembrada e, por que não, homenageada através de vc. Obrigada!
E lindas chamas, às quais atendemos, cedo ou tarde... ;-)
Abraços, flores, estrelas e Feliz Natal!

Bandys disse...

POeta,

Estaremos aguardando deliciosamente cada dia de 2013.

Estou indo pra outro esconderijo, aquele que só através de fumaça, eu me comunico, rs.

Não podia deixar de lhe dizer:

“Que todo dia ao acordar e deitar pra dormir, ele ouça eu dizer o seu nome baixinho nas minhas preces, e sorria por isso daquele jeito bonito. Que, não importa o tamanho da distância, nunca esqueça que o fato de existir mudou pra sempre a minha vida e que o mundo me pareceu muito mais bacana depois que descobri que existia.
Grata!

Feliz tudo pra vc.
Basdysticamente saudosa
Beijos

Suzi disse...

A quem interessar possa: Lote em gleba, bem localizado, cume. A vista ó, da pontinha. Tábua de pedra virgem, sem inscrição. Templo com altar, digo, trono. Tá bem, altar e trono. Lírio lá é mato. Um rio de leite, e aquelas umas lá, ribeirinhas. Também, lá vive um séquito de veneradoras e adoradoras, ávidas, sem no momento ter um venerando a quem seguir. Porteira fechada. Preço módico. Tratar com o profeta e mestre Mister Passandu O Pontus, que informa estar deixando também longas batas brancas.
Sabe-se que o motivo da venda é a grande concorrência, e também que o marketing do Passandus tava meio passado.
E aí ó ímpio Edson vai se alterar? Sabia que não. Afinal, se está treinando para ser deus, tem que agüentar impropérios à sua magnificência, assim como Ele te atura. Rs...
Ave Edson!
Estão falando grego lá na tv!

Suzi disse...

Onde fica você prontamente pergunta? Alto Paraiso - Goiás.

Edson Marques disse...

Sonia,

adorei teu comentário acima. Deu-me até vontade de escrever um roteiro (sim, também já fiz isso, na década de 80), bem decupado, para um filme (talvez curta) sobre esse Jesus que eu amo. Esse porraloca genial que ainda nos encanta, alegremente.

A propósito, não creio que Judas o traiu. Fosse pelo dinheiro, já o teria feito antes, pois era o tesoureiro de Jesus.

Pense nisso.

Flores...

Edson Marques disse...

In Pressões,

Mudança implica também retorno. Afinal, nossa vida é uma espiral. Nos encontramos novamente, mas num ponto acima.

Hodos. Fui procurar. Encontrei isto: http://coletivo-parabelo.blogspot.com.br/2012/04/performance-como-hodos-meta-ou-de-como.html /// Gostei.

Fui te visitar.

Flores.

Edson Marques disse...

andys,

Fico aguardando os teus sinais de fumaça.
Como sempre.
E o meu nome em tuas preces...

Flores!

Edson Marques disse...

Suzi,

Lote à venda? Uma glebazinha "no cume"? Só compro cordilheiras... Fosse eu um simples mortal me sentiria ofendido com tal provocação... rs! E se está à venda, não quero comprar. Só compro coisas que são valiosíssimas aos atuais "donos", e por isso mesmo jamais seriam colocadas à venda...
Mas teu texto me lembrou as Nereidas. Se forem elas, quero todas. As cinquenta, segundo Homero (se bem me lembro).

Mas um Mestre que "passa o ponto" e ainda "deixa as batas", esse não presta. Discípulos podem abandonar o Mestre, mas este, jamais abandona os discípulos. Suponho.

Aliás, recomendo isso aos mestres que frequentam minha escola.

Quanto a ser ímpio, não sou. Aliás, defendo as religiões, especialmente as que eu mesmo fundo.

Outra coisa: podes continuar assim, pois adoro "impropérios à minha Magnificência"... rs!

Lírios, e um café!

Edson Marques disse...

Errei no texto acima, sobre a quantidade de Nereidas. Fui ver no Google:

Hesíodo, na sua Teogonia, reporta 51 nomes, enquanto Homero, na Ilíada, cita 33 Nereides que, com sua irmã Tétis, se compadecem da dor de Aquiles pela morte de Pátroclo. Segundo ambos, entretanto, elas eram cinquenta. O Pseudo-Apolodoro, autor da Bibliotheca, fornece 45 nomes, enquanto Higino (século II), autor das Fabulae, faz uma lista de 49 nomes (de fato 48, considerando que há um nome repetido).

É a vida...

Suzi disse...

Edson, um muito bom dia. Mandaria a conta dos talvez reparos! Mas tá tudo bem. Engasguei com o café, que voou sobre o teclado e sobre uns papeluchos! Riso em explosão. Já teve um destes? Você é uma Figura, menomale, que a forma foi quebrada. Dois Edsons incomodariam muito mais! Rs... Muito bom começar o dia assim! Eu adoro aprender, fuçar, pesquisar... Você tem me cutucado muito com isso. Moro no Google, no Houaiss, no Michaelis, nos contextos... Adoro. E ainda tenho o topete de discordar deles todos em algum dado momento momento. Já que o conhecimento, o direito à informação, é como um estacionamento infinito (ando pensando muito nisto, infinito!) onde lá cabe tantos quantos autos queiramos colocar, em verdade te digo, tenho um enorme prazer em colocar sempre um carrinho a mais, lá! Beijo.

sonia k. disse...

Meninos, acordam com o dicionário na mão.... Lembraram-me um primo das Minas Gerais que me arreliava quando pequena e dizia: como ousas menosprezar minha alta mesopopéia; bater-lhe-ei com minha bengala em seu encéfalo macilento, pois perambulando pelas avenidas da metrópole, deparei-me com igníferos rubicundos vertidos pelo asfalto....
Se não era isto, é mais ou menos rsrsrs
Beijos e bom domingo!

Suzi disse...

Edson, teu perdão para tricotar com a Sonia. Um meia, um tricô, um meia... Rs... Sonia, não fosse tão out te chamaria de fofa! Juro que depois deste comentário, vou vazar e realizar minhas obrigações decembrinas (?), dignas de 12 Hércules. Mas não resisti. Já disse que adoro te ler, e quando você faz isso, muito mais. Crianças, eu e minha irmã, procurávamos palavras no dicionário para nos insultarmos... Já viu né? Que trabalheira de duelo. Vencia aquela que esperava a outra cansar. Enfim, como diz aquele “candidato”: é a vida! E... parem de ser fofos (Argh!) vocês estão me empatando. Fui...

Keila Abreu disse...

Edson,

Você é F O R M I D Á V É L!!!!
Adorei esse texto.
Acho que se as pessoas se prestassem a mudar pelo menos um milímetro a direção de seus pensamentos truncados e arraigados o mundo seria muito melhor.
Mas isso não acontece...
E estamos cada dia mais acostumados com as verdades impostas e cada vez mais emburrecidos e brutos.
É uma pena.
Mas ainda bem que no mundo ainda existem seres pensantes e capazes de sair dessas órbitas equivocadas.
E ainda bem que eu posso aprender a voar com você!

Um abraço!

In Pressões disse...

oi poeta! Aquela página especificamente, não achei. Mas o blog tem fotos óimas! A catadora de estórias foi minha preferida! Adorei!
Obrigada pela dica! Bjs!