26.12.12

agora eu sei

Agora eu sei o que é que Van Gogh sentia quando pintava um quadro. O que Einstein sentiu quando escreveu aquela fórmula mágica. Agora eu sei o que sentiu Leonardo da Vinci após a última pincelada na Mona Lisa. O que sentiram Picasso, Dali, Neruda, Sócrates e Heisenberg. Agora eu sei o que sentiu Jesus após proferir o Sermão da Montanha. Agora eu sei o que sentiu aquele lixeiro ali, ao recolher a última latinha velha do pacote sujo...
Agora eu sei.

11 comentários:

Edson Marques disse...

Agora eu sei!

Suzi disse...

Eu também sei...

Suzi disse...

Sentiram um sentimento...

suzi disse...

...ou a intensidade de consciência que ocorre durane e ao término do ato criativo, o êxtase nascido da dor da criação, depois do estado de inspiração e entusiasmo, o arrebatamento, enlevo ou rapto dos sentidos, causado por uma grande admiração ou por um vivíssimo prazer que absorve todo e qualquer sentimento. “Não é racional, é supra-racional, une o desempenho das funções intelectuais e emotivas, a experiência com o luminoso, a contemplação do todo, unidade, encontro”. Sentiram a transição da morte. Mas não morreram, renasceram.
Ou só a etimologia da palavra êxtase, somada ao criador, aquele que tira ou tirou do nada.

Priscila Pedrin disse...

Sendo espectador.


Grata!

Edson Marques disse...

Senti...

Lisa libanesa disse...

Saberei!


Escondidinho melhor da região...poeta! Vai gostar!

Madrugada quente...


Beijo, mais!

sonia k. disse...

Agora que já sabe, pode dizer:
. o que sentiu?
. por que sentiu?
. quando sentiu?
Adoraria saber sobre tais sentimentos deles (na sua interpretação) e seus.

Sempre acho que cada obra acabada ou não, provoca um certo arrebatamento e satisfação de alma. Olha-se o feito e sente-se como se tivesse plantado a árvore, escrito o livro e tido um filho.

Tenha um lindo dia!
Carinhos

Suzi disse...

Bom dia, Edson! Bom dia, a todos!
Ahahahahahha (o mesmo que rs...)
Saia agora desta sinuquinha de bico que se arrumou! Se puder e ou quiser. Ou... Placidamente nos ignore.
Estou aqui de camarote!
Vou te ajudar, comece assim: Senti... Senti uma lufada refrescante, como uma nova brisa, como saída de um sonho, uma evocação... E como eles, a visão futura de sentimentos, misteriosos ou já sabidos, no mínimo diferentes. Queremos crer que toda criação seja diferente. A criação pode muito bem ser um monstro. Criastes um monstro? Acautela-te ó divindade, "Acautela-te quando lutares com monstros, para que não te tornes um.” (FN) – Lutas, ah! As lutas... Mas, plagiando aquele um querido, se não tê-las, como sabê-lo? Rs...
Um novo poema? Sorte.
Ùltima lua cheia do ano. E daí? Nada. Para quem consegue sentir, tudo mais I N T E N S O !!! No bom e no não bom. Que nos encontremos todos bem ao final deste dia azul.

Edson Marques disse...

Antes de responder aos comentários acima, vou citar, amorosamente, uma frase minha, já publicada aqui:


Tem dias que alguns querem colocar-me contra a parede... Mas a parede nunca é contra mim... rs!

Volto depois.

sonia k. disse...

Longe de mim tal insinuação!