30.11.12

nossas igualdades

Nas questões do amor, o que nos une não são só as nossas igualdades, mas principalmente a possibilidade aberta de que um dia as nossas diferenças se dissipem. Eu me refiro a diferenças conceituais, sobre o que vem a ser a liberdade, o ciúme, a paixão e o delírio. Diferenças básicas de visão do mundo. Por isso é que decido dar-te por uns tempos minha mão: porque sei que ninguém vai além dos seus limites, e porque também creio que um dia você ainda vai preferir o amor livre a qualquer outro tipo de amor.

5 comentários:

Edson Marques disse...

Nossas diferenças são iguais.
http://mude.blogspot.com.br/2012/11/nossas-igualdades.html
Coisas da vida...

sonia kahawach disse...

Acho genial sua forma de colocar uma situação condicionalmente: ...dar-te POR UNS TEMPOS minha mão...."
V. passou mais vezes pela porta que distribuía genialidade. Parabéns!
Carinhos nesta tarde que segue muito quente por aqui.

Anônimo disse...

Em que momento estamos livres para essa liberdade que citas? Ainda vejo que o mundo está preso a velhas filosofias!

Bjs e Lírios pra vc rs

Micheli Gemignani

Edson Marques disse...

Sonia,
Sempre digo "por uns tempos" quando juro alguma coisa. O futuro a Mim pertence. Não posso dá-lo em garantias... Jurar amor eterno é uma espécie de estelionato emocional. Melhor falar a verdade!

Flores...

Quanto à suposta "genialidade", agradeço. Mas é exagero teu. E de Deus... rs!

Edson Marques disse...

Micheli,
Estamos livres ("para essa liberdade que cito") sempre que estivermos livres, absolutamente. Entretanto, depois de Einstein, até o Absoluto é relativo... rs!

E as "velhas filosofias" podem ser novas, dependendo do ponto de vista em que são lidas. Pense nisso.

Flores...