9.10.12

escrevo do futuro

Eu não escrevo para o futuro: eu escrevo do futuro. Porque hoje já é futuro — mas muitas pessoas ainda estão no passado. Por isso não me compreendem. Minha linguagem, embora refinada, é bastante simples. Eu uso metáforas e parábolas para facilitar o entendimento daquilo que eu digo. O fato de muitas pessoas não me compreenderem (inclusive da minha família) não quer dizer que eu esteja necessariamente errado — nem elas. Apenas não estamos no mesmo tempo. A compreensão de um texto pode demorar muito... Veja, por exemplo, o caso de Jesus: há dois mil anos ele disse coisas maravilhosas que ainda hoje não são compreendidas. Então, por que é que eu — que em certos aspectos sou bem menos capaz do que Jesus — teria que ser sempre compreendido naquilo que escrevo?

4 comentários:

Edson Marques disse...

Tem dias que eu subo a SP, e tem dias que eu desço a SP. Hoje eu desci a SP...
http://mude.blogspot.com.br/2012/10/escrevo-do-futuro.html
É a vida.

Dinara Lima disse...

Não encontrei o texto mas adoraria ler o texto sobre a interpretaçao de cativar, o texto sobre o pequeno príncipe e araposa.

Dinara Lima disse...

Gostaria de receber o link sobre o texto cativar, do pequeno príncipe e a raposa


dinarajones@gmail.com

Bandys disse...

Poeta,
Te entender não é tão difícil, mas coisas que entendia há 5 anos hoje vejo de outra maneira, é uma questão de tempo.

beijos flores e luares