12.9.12

limites

Ninguém vai além de seus limites. Se for, não eram. Afinal, se alguém ultrapassar os seus limites, então não eram realmente limites. Eram falsos limites. Milhões de pessoas têm falsos limites. E o que é pior: acreditam neles. Não raro, limites estipulados por terceiros, que sequer teriam direito de interferir em vidas alheias. Mas os piores limites, os mais lamentáveis, são aqueles que nós mesmos nos impomos — quase sempre muito aquém do que seria o ideal, com base em nossos próprios estados de potência. Portanto, não se deixe limitar, nunca! Nem por seus inimigos — nem por esse monstro horroroso que se chama Falta de Coragem.

3 comentários:

Edson Marques disse...

Ainda revisando esse texto, ao lado dos pezinhos de lírio, tomando café feito por mim, com água benta.
http://mude.blogspot.com.br/2012/09/limites.html
Hoje vou ao Centro de SP. Forum João Mendes. Mate com leite. Sanduíche de mortadela. Vinho branco no Ita. Flores e estrelas. E Tempo.

Ana Carla disse...

A primeira vez que li "A insustentável leveza do ser" fiquei chocada: então a liberdade absoluta é insuportável? É não! Hehe...

Gabriel disse...

Muitoooo tempo!!!!
Delícia a tua vida!!!!


Beijos!!!