7.9.12

divina proporcao

Eu adoro a Matemática desde pequenino. Aos oito anos eu já sabia a tabuada do 15 e a regra de três. Aprendi a governar meu mundo com o Teorema de Pitágoras. Aos dez, já era íntimo de PA e PG e de equações exponenciais. Depois, me apaixonei pela Lógica de modo inescapável. Mais tarde, virei amante excitado da Estatística e da Teoria dos Nós. Vibrei com Fibonacci, e fui fazer computação. Mas tudo isso abraçado a flores e estrelas, e sem jamais abandonar a Poesia. E foi assim, dançando nos versos dos meus sonhos, é que descobri a existência de uma coisa gloriosa, que se chama Divina Proporção. O modo mais gracioso de colocar as vogais tônicas nos meus cantos e poemas, e o modo mais elegante de massagear os pés do meu amor.

2 comentários:

Edson Marques disse...

A postura radical do meu pai quanto a saber tabuada, por exemplo, foi fundamental na determinação do meu futuro. Ele dizia que quem não souber tabuada antes dos oito anos de idade, dificilmente terá muitas vitórias na vida para contar.
Radical?
Sim.
No sentido literal da expressão.
http://mude.blogspot.com.br/2012/09/divina-proporcao.html
É a vida.

Controvento-desinventora disse...

Que delícia de texto!