23.8.12

julgamentos errados

Erros de avaliação depõem exclusivamente contra quem os comete. Não adianta chamar de feio quem é belo, pois isto não o cobrirá de feiura. Não adianta chamar o gênio de burro, pois isto não o deixará idiota. Não adianta falsear um fato com argumentos improváveis, pois isto não muda a realidade nem um pouco. Julgamentos desprovidos de verdade não alteram a qualidade do objeto, mas demonstram a falta de inteligência do sujeito. E se essa manifestação irracional vier acompanhada de algum tipo de violência, inclusive verbal, a coisa fica pior ainda. Chamar alguém de filho da puta com sussurros não torna prostituta a mãe do ouvinte, mas demonstra uma certa finesse de quem xinga. Entretanto, gritar em altos brados a mesma imprecação só demonstra que o autor, além de não saber raciocinar, não controla sequer as próprias emoções. O infeliz talvez ache que a altura do que supõe ser a verdade é uma questão de decibéis... Fuja desse tipo de gente. Quem vive julgando o tempo todo a vida alheia — geralmente é um imbecil.

4 comentários:

Edson Marques disse...

A filosofia, se levada a sério, nos ajuda a evitar esse tipo de coisa.
http://mude.blogspot.com.br/2012/08/julgamentos-errados.html
É a vida...

Ana Carla disse...

A filosofia levada a sério, ou a vida mais na brincadeira! Muitas vezes achoq ue falta um pouco de ludicidade. Vamos farrear, no lugar de gritar! Vamos nos divertir, no lugar de julgar. Quem cuida da própria vida não tem muito tempo pra tentar mudar o outro, né mess? Tô virando sua fã.

DnLuca disse...

Tão verdadeiro... e o imbecil por não tomar conta de sua própria vida tentar com todas as forças imbecilizar o mundo à sua volta. Que ralhem sozinhos os imbecis!!!

Denilce Luca disse...

Tão verdadeiro... e o imbecil por não tomar conta de sua própria vida tentar com todas as forças imbecilizar o mundo à sua volta. Que ralhem sozinhos os imbecis!!!