25.7.12

detesto relacoes ordinarias

Eu detesto relações ordinárias. O que é comum tem um poder impressionante de jamais me impressionar. Eu preciso é de êxtase. De entusiasmo compartilhado. De alegria transbordante. Da liberdade absoluta que me envolve quando abraço as circunstâncias amorosas em que danço todo dia. Porque, se eu não viver esta vida que eu vivo — nem amar os amores que eu amo — acho que a pena só pelo resto não valeria.

3 comentários:

Edson Marques disse...

Acabo de escrever isto, ainda no berço, envolvido por ideias novas e lembranças boas. Vou fazer um café e refinar alguns projetos. Colocar no papel o teatro que eu sonho.

PNMMNJNPNRNPCBEEM

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Edson. Quem não precisa dessa alegria transbortante, de algo que nos tire o fôlego e aqueça a nossa alma, quem?
Se alguém diz que não é porque precisa experimentar com urgência o lado bom da troca, da partilha generosa e aquecida, do amor em duas bocas.
Liberdade é absolutamente tudo, quem não a tem mesmo "livre", está condenado à solidão de seus próprios pensamentos.
Beijos na alma, e fique na paz!

Paty Michele disse...

Concordo muito.
Também ando cansada de tanto lugar comum e nada de novo sob o céu.
um abraço.