13.7.12

caras metades

As pessoas que acreditam na existência de almas gemas ou caras-metades não devem conhecer a Lei das Probabilidades. Pois, considerando os mais de sete bilhões de seres humanos que hoje existem no mundo, como pode uma cara-metade, exatamente a minha, nascer na mesma cidade em que eu nasci? Ou, como pudemos ambos ter saído da cidade em que nascemos, tão longe uma da outra, e vir nos encontrar exatamente aqui? E, além disso, como fomos levados a tomar o mesmo ônibus ou metrô naquela segunda-feira chuvosa de agosto? Ou, como pode a minha cara-metade ter vindo trabalhar na mesma empresa em que eu, por acaso, deixei meu currículo? E o que é mais interessante: como pode a minha cara metade — a minha alma gêmea — ser essa pessoa tão maravilhosa que é? Que sorte Deus não tê-la feito uma bruxa qualquer, ou um demônio peludo ciumento... Que sorte fantástica eu ter merecido esse astronômico conjunto de fatores que me trouxeram essa minha tão doce cara-metade!

Ou não.

2 comentários:

Edson Marques disse...

Ainda estou escrevendo esse texto sobre almas gêmeas e caras metades. Tomando café, e aguardando os quase dez sanhaços que virão comer a banana maçã que lhes dou.

http://mude.blogspot.com.br/2012/07/caras-metades.html

Edson Marques disse...

Claro que, se você ainda não teve (ou não terá jamais) a sorte extremamente grande de encontrar a tua cara-metade — a tua alma verdadeiramente gêmea — reclame com Deus. Ou com a Lei das Probabilidades...