13.6.12

di versao

Descrever uma realidade com ideias preconcebidas ou com interesses de outra ordem, a partir de um determinado ponto de vista, não tem o poder de alterar essa realidade descrita. Portanto, quando você tenta convencer-me de uma coisa (um fato verdadeiro ou não, uma ideia racional ou não), não adianta nada eu concordar ou não com essa sua específica versão do suposto fato. Se ela for verdadeira, a coisa não precisa da minha concordância para ser o que já é. E se for falsa a sua descrição, convencer-me à força (ou com "argumentos" baseados em decibéis) de que essa falsidade é "verdadeira" — também não mudará em nada a coisa em si. Um fato jamais se modifica ao sabor das suas várias possíveis versões. Aliás, o mundo viraria um caos se uma simples versão tivesse o mágico poder de alterar um fato.

3 comentários:

Edson Marques disse...

Descrever a realidade com ideias preconcebidas ou com interesses de outra ordem, a partir de um determinado ponto de vista, não tem o poder de alterar a realidade. Portanto, quando você tenta convencer-me de uma coisa (um fato verdadeiro ou não, uma ideia racional ou não), não adianta nada eu concordar ou não com essa sua específica versão do suposto fato. Se ela for verdadeira, a coisa não precisa da minha concordância para ser o que já é. E se for falsa a sua descrição, convencer-me de que essa falsidade é verdadeira – também não mudará a coisa em si. Um acontecimento não se modifica ao sabor das suas várias possíveis versões. Aliás, o mundo viraria um caos se as coisas assim fossem.

Este é o original, escrito agora, madrugada de 13.06.2012. Ainda na cama, logo após ter revisto um belíssimo vídeo com Richard Feynman (que acabei de publicar no meu Facebook).

O texto de hoje certamente será bastante alterado, durante o dia. Foi uma ideia que me veio em sonho. Como já disse antes, estou virando um novo Zé do Egito... rs!

http://mude.blogspot.com.br/2012/06/di-versao.html

É a vida.

Edson Marques disse...

Aqui neste blog, ou você vem para filosofar — ou não volta nunca mais.

Edson Marques disse...

Minha filosofia é sempre uma filosofia de vida.

Quem prefere a morte, foge de mim.