31.5.12

teoria do acaso

Estou escrevendo um livro cujo título é Teoria do Acaso. Porem, cada vez mais me convenço de que Deus tem um propósito especial para mim. E constrói em torno do meu espirito em repouso uma série dançante de acasos (des) conexos, como se tudo não passasse de uma expressão racional do próprio Destino. Por isso, eu acho que mudarei o título do livro — ou suspenderei por uns tempos a publicação. Tenho que pensar mais a respeito do assunto.

Sim, Deus tem um propósito para mim, assim como eu tenho um propósito para Ele. Acontece que não dá para salvar a alma sem antes salvar o corpo. E o que mais excita o ser humano livre é a possibilidade aberta de uma nova vida. Foi por isso que o meu bisavô deixou que a rebeldia lhe subisse à flor da pele. Num certo fim de ano ele tomou aquelas decisões que só os corajosos conseguem tomar: montou o cavalo negro do risco absoluto — e partiu! Pois ele também já sabia que o único crime que não tem perdão é desperdiçar a vida. Então, ele abandonou tudo para não ter que abandonar a própria existência naqueles caminhos já percorridos. Trocou um milhão de verdades antigas por uma pequena mochila de sonhos. Jogou fora o velho baú de premissas usadas, abraçou algumas dúvidas gostosas, quebrou as algemas — e caiu na Vida.

Não fosse por isso, eu não teria nem nascido — e não estaria aqui, agora, à beira do mar, tomando um belo copo de vinho vermelho e contando essas coisas pra você. Sou portanto bisneto da rebeldia. Sou bisneto da rebeldia, neto da emoção, filho da loucura, irmão do desejo, primo do prazer, amigo da liberdade, e amante de todos os meus amores. E existo, por incrível que pareça. No céu da minha boca não há fogos de artifício. Só estrelas!

5 comentários:

Edson Marques disse...

Estou escrevendo um livro cujo título é "Teoria do Acaso". Porem, cada vez mais me convenço de que Deus tem um propósito especial para mim. E constrói em torno do meu espirito uma série dançante de acasos, como se tudo não passasse de uma expressão racional do Destino. Acho que mudarei o título do livro — ou suspenderei por uns tempos a publicação. Tenho que pensar mais a respeito do assunto.

Talvez eu mude este original, escrito hoje de manhã. Ou o complemente com alguma coisa sobre as loucuras do meu bisavô — sem as quais eu sequer existiria.

http://mude.blogspot.com.br/2012/05/teoria-do-acaso.html

JAIRCLOPES disse...

Acho que incluir seu bisavô é uma boa.

Edson Marques disse...

Vou incluir.

Eu respeito sempre muito meus antepassados. Especialmente esse meu bisavô, Luiz Marques, a quem já homenageei dedicando-lhe toda a página inicial do meu livro "Manual da Separação".

Abraços, Jair!

JAIRCLOPES disse...

Gostei do seu Bisa, me parece um Hippie precoce, uma espécie de pioneiro da contracultura. Vejo que você tem uma referência maiúscula para nortear suas atitudes. Parabéns pelo texto, JAIR.

Simone MartinS2 disse...

Bom dia! Adorei ler teu post., mas convenhamos, que ele precisou amadurecer para perceber que a vida era muito mais do que ele ja tinha. Infelizmente é sempre assim, vivemos num mundo louco, sob as leis do ser humano, inventadas para se ter uma certa "organização" desorganizada! E vamos vivendo assim, para que os filhos não venham a sofrer com essa sociedade hipocrita, educamos nos principios estipulados por ela. Enfim, meus filhos criei assim, porem, sempre fortalecendo a teoria de que existe o "livre arbitreo", onde sem prejudicar ou magoar o outro, pode-se mudar muito em nossas vidas. Hoje, sempre digo: Ah, se eu tivesse essa mentalidade de hoje e a idade dos meus dezoito anos, tudo seria muito diferente! - Mas acredito no acaso e dai...Olha eu aqui, me preparando como seu Bisavô, para depois dos filhos sairem debaixo das asas, jogar a mochila nas costas e sair por esse mundão de meu senhor...Livre de todos os compromissos, ciente de que, ja fiz a minha parte. E eles, se tiverem um pouco de bom senso, me deixaram voar como a borboleta liberta de teu casulo, mesmo que depois eu dure apenas 24 hs., vai ter valido a pena!! Mas apesar que,encaro minha vida bem feliz, de momentos livres para fazer "quase tudo que tive vontade", e que achei traria para minha vida, feliciade!! Olha, fiz um post., mas eu sou assim, me solto quando algo me atrai. Seu post., inteligente me causou isso!! Escreva o livro com o que voce tem agora e, aos poucos, faça as mudanças. Afinal, um dia nunca será igual ao outro! Da tua vida, invejo apenas o momento do Vinho, pois amo um bom vinho!! Abraços e desculpe pela ousadia de ter escrito tanto!! Adorei!!