30.5.12

sonia maria santissima

Sônia tem treze anos, e é linda. Sensualíssima. Convidado por ela, vamos ao cinema. Sentamos lá na última fila. Quando as luzes se apagam, ela desliza suavemente sua mão esquerda por minha perna, e ficamos de mãos dadas, enternecidos. Meu coração dispara de alegria. Nem me lembro do filme, mas sei que tinha John Wayne. Quando a sala se ilumina em certas cenas, eu vejo que a outra mão dela está entre as duas do Júnior, um amigo meu. A princípio, estranhei um pouco, mas a parte de Sônia que me tocava continuava comigo... E assim, por muitos filmes e muitas e muitas noites de claro amor inocente, eu aprendi a compartilhar a musa até hoje inesquecível. Eu tinha então doze anos — e isso mudou minha vida para sempre. Aprendi que ninguém é dono de ninguém. E o que é mais importante: ninguém é propriedade de ninguém.

6 comentários:

Edson Marques disse...

Com Sônia Maria eu aprendi que ninguém é dono de ninguém.
E que podemos amar muitos – muito.

Acordando agora, nos dois sentidos principais do Verbo.
Acho que vou fazer um café e pensar no teto da Igreja. E no altar...

http://mude.blogspot.com.br/2012/05/sonia-maria-santissima.html

Edson Marques disse...

Sônia Maria Marinho Fernandes morava na Rua São Pedro, em frente à casa de minha tia Ana. Além de carinhos e olhares, também trocávamos nossas inteligências. Minha concepção de amor (livre) nasceu naquela época.

Felizmente!

É a vida.

Edson Marques disse...

Quando Deus coloca em teu caminho alguém que precisa de alguma coisa, dê. Porque Deus sabe o que faz – e é competente. Ou isso que estou dizendo agora não tem nenhum sentido, e só estou falando uma besteira monumental. Você decide.



Desenvolver um pouco mais esse tema, lembrando daquela mulher em farrapos que ontem à noite me pediu um churrasquinho de gato. Claro que dei. Quando saiu, ela acenou-me com a mão de Jesus e deu-me o sorriso mais lindo que alguém já me deu neste mês que termina.

Anônimo disse...

Tuas histórias são muito boas!!!!
Ana.

Edson Marques disse...

Ana,
Eu também acho... rs!
Flores!

Obrigado pelo elogio. Mas críticas serão também aceitas.

VIDA E LIBERDADE disse...

Eu queria ter vivido naquela época....Você conheceria uma fã ardorosa e uma mulher 100% mulher...se bem que ainda continuo! rs............

beijos poeta!